Navegação – Mapa do site
Recensões

Ken Bain, What the Best College Teachers Do

Teresa Tavares
p. 205-206
Referência(s):

Ken Bain, What the Best College Teachers Do. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 2004, 207 pp.

Texto integral

1A capa do livro de Ken Bain, intitulado What the Best College Teachers Do, pode desinquietar, se não mesmo alarmar, aqueles que há muito se instalaram na sua cátedra e se vêem desafiados a fazer o pino para estimular a aprendizagem dos seus alunos e alunas. A imagem de um homem de óculos a fazer o pino pode, no entanto, ser interpretada como metáfora da mudança radical de rotinas do processo de ensino/aprendizagem, do esforço de reflexão sobre o que já naturalizámos e que importa desnaturalizar. De facto, é isto que este livro se propõe fazer, levando-nos a sair do casulo das nossas próprias salas de aulas e a confrontarmo-nos com o que se passa nas salas ao lado.

2Director do Center for Teaching Excellence da Universidade de Nova Iorque, Ken Bain ganhou com este livro o prémio Virginia e Warren Stone da Harvard University Press, que é atribuído anualmente à melhor obra sobre educação e sociedade. O prémio é bem merecido. A obra não nos oferece fórmulas de fácil consumo e aplicação, nem sequer de mágica metamorfose em excelentes pedagogos e pedagogas. Aliás, logo na introdução, o autor adverte que “quem espera uma simples lista do que se deve ou não fazer ficará extremamente desiludida/o” (15).

3What the Best College Teachers Do é o resultado de um estudo conduzido num número considerável de universidades americanas ao longo de 15 anos, e que abrangeu, numa primeira fase, mais de uma centena professores/as universitários/as das mais variadas áreas disciplinares. Na introdução e no apêndice, o autor explica--nos como surgiu a ideia deste estudo, as suas várias fases de desenvolvimento, a delimitação do objecto do estudo e os métodos e fontes usados. Depois da selecção de 63 professores e professoras, Bain e a sua equipa passaram à fase de investigação mais aprofundada sobre estes docentes, recolhendo informação a partir de diferentes tipos de fontes, desde entrevistas formais e informais com estudantes e docentes até questionários de avaliação docente, programas de cadeiras, testes de avaliação, trabalhos dos/as alunos/as, etc.

4Para quem pensa que não se aprende a ensinar, que os bons professores nascem, não se fazem, que a inspiração é tudo, este estudo monumental, magistralmente sintetizado em cerca de 200 páginas, será uma surpresa – mas esses, provavelmente, não o irão ler. Dividida em sete capítulos a que acresce um epílogo, a obra organiza as conclusões do estudo à volta de questões que vão desde os processos de aprendizagem à avaliação dessa aprendizagem, passando pela reflexão não só sobre práticas de preparação e leccionação de aulas, mas também sobre os currículos, os programas e os seus objectivos mais latos.

5Sendo difícil sintetizar num curto espaço as conclusões de Bain, salientaria aqui apenas algumas das que me parecem mais relevantes e que, de alguma forma, vão contra ideias feitas. Uma delas é que os melhores professores nem sempre são os que mais publicam num determinado campo, mas sim os que ultrapassam as fronteiras da sua especialidade ou disciplina, os que têm a capacidade de relacionar diferentes saberes e de “pensar metacognitivamente” (16, 95). Os docentes entrevistados por Bain também concebem as aulas como um desafio intelectual, cuja preparação requer um trabalho tão empenhado como um projecto de investigação ou uma conferência, e não algo que se “despacha” entre projectos e conferências. Mas, acima de tudo, o que “os/as melhores fazem” é criar nas aulas aquilo a que Bain chama “a natural critical learning environment”, isto é, um ambiente que estimula a curiosidade intelectual, que estabelece pontes entre disciplinas como forma de testar as premissas muitas vezes inquestionadas dentro de cada campo disciplinar, um ambiente que fomenta as perguntas e dúvidas, exigindo que o/a professor/a tenha a capacidade de abertamente expor as suas próprias dúvidas e os limites do seu conhecimento. Criar um ambiente crítico de aprendizagem é, portanto, fundamental para formar sujeitos críticos e, por conseguinte, para a produção de conhecimento.

6As reflexões e ideias aqui expostas obrigam-nos, talvez penosamente, à auto-crítica, à revisão do nosso passado e presente como docentes, à questionação das nossas práticas pedagógicas e didácticas, à interrogação sobre o que fazemos, para que o fazemos e por que o fazemos, e isto tem obviamente implicações sobre a tão falada “educação para a cidadania” e a preparação para a “sociedade do conhecimento”. O que está aqui em jogo é precisamente a formação de cidadãos e cidadãs críticos/as, que aprendem a aprender ao longo da vida, a criar uma consciência crítica do mundo que os rodeia, a questionar o adquirido e os seus limites.

7O livro de Bain assenta implicitamente sobre toda uma longa discussão sobre a “missão” da universidade nos nossos dias, uma questão que tem estado no centro das atenções nos países ocidentais e que, nomeadamente nos Estados Unidos, tem alimentado as famosas “guerras da cultura”. A este respeito, será interessante ler este livro em conjunto com os de Bill Readings e de Stanley Aronowitz, respectivamente The University in Ruins (1995; tradução portuguesa, Coimbra, Angelus Novus, 2004) e The Knowledge Factory: Dismantling the Corporate University and Creating True Higher Learning (2000). A reflexão destes livros sobre a universidade vem particularmente a propósito numa altura em que Portugal, como os restantes países da União Europeia, se prepara para aplicar o Processo de Bolonha, que irá, suspeito, concluir o processo de transformação do ensino/aprendizagem universitários em ensino pós-secundário (a designação é de Aronowitz), em muitos casos profissionalizante, reservando, eventualmente, os dois últimos ciclos da educação dita superior para a produção de conhecimento crítico.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Teresa Tavares, « Ken Bain, What the Best College Teachers Do », Revista Crítica de Ciências Sociais, 70 | 2004, 205-206.

Referência eletrónica

Teresa Tavares, « Ken Bain, What the Best College Teachers Do », Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 70 | 2004, colocado online no dia 01 Outubro 2012, criado a 24 Julho 2017. URL : http://rccs.revues.org/1058

Topo da página

Autor/a

Teresa Tavares

Professora auxiliar da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e investigadora permanente do Centro de Estudos Sociais. Foi vice-presidente da Associação Portuguesa de Estudos sobre as Mulheres. Lecciona e investiga nas áreas de Estudos Americanos e Estudos Feministas, dedicando-se mais recentemente a questões de imigração e literatura imigrante nos Estados Unidos.
tete54@mail.telepac.pt

Artigos do/da mesmo/a autor/a

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Revues.org