Navegação – Mapa do site
Recensões

Barreto, António; Benavente, Ana; Figueiredo, Eurico; Ferreira, J. M. e Alexandre, Valentim, Pátria utópica: o Grupo de Genebra revisitado

Pilar Damião de Medeiros
p. 161-164
Referência(s):

Barreto, António; Benavente, Ana; Figueiredo, Eurico; Ferreira, J. M. e Alexandre, Valentim (2011), Pátria utópica: o Grupo de Genebra revisitado. Lisboa: Bizâncio, 360 pp.

Notas do autor

Livro apresentado pela autora a 16.03.12 na Livraria Solmar, Ponta Delgada

Texto integral

1Em Pátria utópica, António Barreto, Ana Benavente, Eurico Figueiredo, José Medeiros Ferreira e Valentim Alexandre revisitam em conjunto a decisão do exílio, o seu engajamento político em clima universitário, a estadia em Genebra como espaço marginal de resistência, de formação pessoal e académica e, por fim, o seu regresso à Pátria. A referência às aspirações e lutas políticas, à prisão, e tortura nalguns casos, às discussões nos Cafés Landolt e du Commerce em Genebra, aos debates nos comícios europeus, às incertezas e certezas pessoais, às utopias e distopias faz parte da aventura comum, embora com trajetórias singulares, destes cinco protagonistas. Ao longo das cinco narrativas, torna‑se claro que o exílio, encarado pela tradição literária do exílio (ver por exemplo as reflexões de importantes autores diaspóricos como E. Said, T. W. Adorno, G. Agamben, H. Arendt, S. Hall, J. Joyce, C. Magris, A. Camus) como um “entre‑lugar”, um “lugar em trânsito”, não representou para os autores nem um cárcere, nem uma mera passagem física, temporal e objetiva, mas foi, essencialmente, um locus de construção e reconstrução de um novo eu, potenciador de uma experiência interpessoal e intercultural que ultrapassou as barreiras instauradas e gerou espíritos cosmopolitas. Contudo, o paradoxo do exílio, o sentimento ambíguo que oscila entre a exclusão, a nostalgia, a ausência, a perda de raízes, por um lado, e os novos territórios de experiência, de liberdade e de esperança, por outro, modelou a experiência tão inextricavelmente unida ao devir político e social deste grupo de intelectuais.

2Porém, para compreender as circunstâncias que contribuíram para o exílio do Grupo de Genebra, precisamos de retomar a primeira parte do livro intitulada “Em Portugal, abafava‑se”. A. Barreto assume que “[e]stava farto de censura [...] Sonhava com revoluções [...]”, queria ler jornais feitos em liberdade e ver filmes sem censura (40). A. Benavente, a “adolescente revoltada e voluntariosa” que incorpora o papel da mulher, do feminino na contracultura, sonhava com a liberdade num “país que era fechado, autoritário e pobre, o regime era fascista e colonialista” (57). E. Figueiredo, envolto nas estórias de heroísmo e bravura familiar, envolveu‑se no movimento estudantil e na luta política a partir de 24 de março de 1962. A partir desta data não pôde recuar. J. Medeiros Ferreira, o “representante orgânico da geração estudantil” (79), desempenhou funções determinantes nos círculos dirigentes e acabou preso pela PIDE. Com uma “Carta Aberta ao Povo Português” a explicar as razões da sua partida inicia uma nova etapa da sua luta e resistência política. Agora no exílio. V. Alexandre sentia‑se não só na oposição ao regime salazarista, mas também do “lado de fora” por não ser católico. Contra a sua convicção política fora mobilizado para a Guiné, onde acabou por desertar “por imperativo de consciência” e em 1971 rumou para a Europa (117).

3Enquanto as manifestações contra a repressão política de regime autoritário germinavam pelas universidades e as perseguições aumentavam, os membros do Grupo de Genebra iam se despedindo da Pátria e chegando à Suíça. Na fase do exílio, o grupo nunca vacila relativamente à sua missão intelectual e política. Este grupo, que falava a verdade ao poder (E. Said), interiorizou o compromisso do intelectual autónomo, liberto de quaisquer restrições. Neste caso, o capital militante no exterior serviu para informar a Europa sobre a repressão exercida em Portugal e desmistificar a imagem de Portugal na opinião pública. Esta ação de denúncia realizava‑se não somente com boletins e panfletos, mas também com a participação em eventos universitários europeus.

4Mas afinal o que significou o exílio para estes cinco intelectuais?

5Para A. Barreto foi a descoberta de “ideias e cultura para além dos estereótipos realistas. Havia pensamento e liberdade para além dos catecismos. [...] Agora vivia em liberdade, ponto final” (127). O sociólogo refere a Universidade de Genebra como contributo maior para o seu crescimento; o cosmopolitismo de Genebra (143); a sua experiência como assistente (131) e como investigador nas Nações Unidas; a amizade com os coautores deste livro, que tiveram “talvez as mais interessantes discussões políticas sobre Portugal” (140); o abandono do Partido Comunista; a publicação da revista Polémica e o sentimento de desenraizamento, de estrangeirado, quando declara que “estrangeiro uma vez é estrangeiro para sempre” (141‑142). Este desabafo está em perfeita sintonia com a declaração de Elie Wiesel (O Tempo dos Desenraizados [2003]. Lisboa: Dom Quixote, 18) quando assume que “[o] antigo refugiado permanece refugiado para o resto da vida”. Ora, esta sensação de não‑pertença foi intensamente vivida por A. Benavente. Escreve que, no início, sentia‑se de passagem, num lugar de empréstimo. Era uma estrangeira à procura de liberdade, de vida, de um caminho que um dia lhe permitisse regressar (149). Para além de jovem, era mulher, e estes dois aspetos faziam com que fosse muitas vezes levada pouco a sério. Mas a irrupção do maio de 68 deu a ela e a todas a mulheres segurança, ousadia e libertação plena. Enquanto lia o Homem Unidimensional de Marcuse militava contra a injustiça, contra a opressão, pela liberdade, pela democracia, pela igualdade. Integrava‑se igualmente na revista Polémica e desenvolvia a sua formação académica. E. Figueiredo aponta no seu testemunho duas fases distintas na Suíça: o pesadelo em Lausana e os melhores tempos da sua vida em Genebra. Em Genebra pôs o acento tónico na sua vida profissional e fez doutoramento em Medicina pela Universidade de Genebra (187). Contribuiu ativamente na revista Polémica e encara os seus anos no exílio como os mais saudosos da sua vida (188). J. Medeiros Ferreira, “o grande animador da boa disposição” do grupo, ao chegar a Genebra requereu imediatamente o estatuto de refugiado político e matriculou‑se na Faculté des Sciences Économiques et Sociales, onde se tornou mais tarde assistente. Participou com A. Barreto e C.Almeida em Encontros sobre a Esquerda na Europa, foi a comícios em Londres e Manchester com Amílcar Cabral e em 1973 concebeu a tese da política dos três D (descolonizar, democratizar, desenvolver), que enviou para o Congresso em Aveiro. Embora exilado, conseguiu participar no censurado espaço público português e a sua tese acabou por ter alguma influência nos acontecimentos. Tal como os outros coautores, os seis anos de exílio acabaram por ser os melhores da sua vida. Finalmente, V. Alexandre, o último a chegar à Suíça. Pediu equivalência à licenciatura em Direito com vista a um doutoramento. No exílio, deu continuidade à sua formação académica, mas a sua relação com a Suíça foi sempre, assevera, “a de um espectador interessado”.

6O exílio termina a 25 de abril de 1974, e o Grupo de Genebra está determinado a regressar à Pátria. O regresso foi para todos, independentemente do percurso profissional, político e académico, um misto de emoções e contradições, de alegrias e tristezas, de sentimento de pertença e de perda, de esperança, liberdade extrema e desilusão. A gratidão e o elogio à cidade que os acolheu, Genebra, são constantes nos cinco trilhos de memória. Relembram a organização, os cafés, a universidade, o cosmopolitismo que pairava pela cidade. Enfim, uma experiência mágica, agora quase onírica, no imaginário deste grupo de intelectuais que nela construíram a sua vida “entre parênteses”. Genebra deu‑lhes capital cultural e um espaço livre onde puderam lutar pela liberdade de uma Pátria que permanece, todavia, utópica.

7“A despedida da Europa” (142), como A. Barreto adverte, foi difícil, mas a edificação de uma sociedade livre e pluralista em Portugal e o sentido de cidadania cativou estes intelectuais comprometidos. O novo ciclo, o ciclo da construção de uma Pátria perfeita, manteve‑se todavia inacabado. Embora tenha havido uma melhoria significativa a nível das liberdades, das condições de vida, da abertura do país, os autores finalizam o seu testemunho com alguma desilusão face ao país por que tanto lutaram: A. Barreto não se habitua a viver com muitas desigualdades ou entre muito pobres (224); A. Benavente critica a perda de sentido crítico num país que necessita de democratizar a sua democracia (250); E. Figueiredo revolta‑se com a continuação de compadrio em ‘liberdade’ (261); J. M. Ferreira busca a autonomia dos “narcisismos concentrados” e permanece na busca de uma sociedade mais livre e igualitária; e V. Alexandre afirma, com desgosto, o desaparecimento das ilusões sobre experiências socialistas.

8No Portugal do século xxi, nesta era incerta e inconstante, de crise económica, mas também social e política, na era onde os imperativos tecno‑económicos colonizam as esferas do mundo da vida, onde o défice democrático é cada vez maior, torna‑se crucial reavaliar a influência dos intelectuais em movimentos que sustentam a liberdade e dignidade humana. Isto significa que o intelectual tem de se desprender, utilizando as palavras de T. Adorno, do kitsch oficial, mas também não pode preconizar o papel de mero “intérprete cultural”, como Z. Bauman afirma. Ora, considerando a cultura do discurso crítico e o compromisso com a transparência, com os valores cosmopolitas, com as liberdades humanas, o intelectual irá certamente estimular debates que irão animar a civitas e proporcionar uma esfera pública incubadora de uma democracia deliberativa. Desta forma, esperamos que o Grupo de Genebra, este Grupo de intelectuais autónomos, com sua vocação individual, energia, força e persistência, continue a propor à nossa Pátria – agora esvaziada de sentido crítico e esperança – novas utopias.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Pilar Damião de Medeiros, « Barreto, António; Benavente, Ana; Figueiredo, Eurico; Ferreira, J. M. e Alexandre, Valentim, Pátria utópica: o Grupo de Genebra revisitado  », Revista Crítica de Ciências Sociais, 95 | 2011, 161-164.

Referência eletrónica

Pilar Damião de Medeiros, « Barreto, António; Benavente, Ana; Figueiredo, Eurico; Ferreira, J. M. e Alexandre, Valentim, Pátria utópica: o Grupo de Genebra revisitado  », Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 95 | 2011, colocado online no dia 01 Dezembro 2012, criado a 21 Setembro 2017. URL : http://rccs.revues.org/4440

Topo da página

Autor/a

Pilar Damião de Medeiros

Doutorada desde 2007 em Sociologia e Estudos Germanísticos pela Albert‑Ludwigs‑Universität Freiburg, na Alemanha. É professora auxiliar convidada da Universidade dos Açores. Investigadora integrada do Núcleo de Investigação em Ciência Política e Relações Internacionais (NICPRI‑FCT). Autora do livro Rollenästhetik und Rollensoziologie: Zum Transfer rollensoziologischer Kategorien auf die neuere deutsche Literaturwissenschaft (2007), que obteve quatro recensões internacionais. Publicou vários capítulos de livro e artigos científicos em revistas internacionais nomeadamente International Journal of Interdisciplinary Social Sciences, International Journal of Multidisciplinary Thought, Social Sciences Research Network e PerspectivasPortuguese Journal of Political Science and International Relations. Tem desenvolvido trabalhos na área da sociologia dos intelectuais e cultura política; globalização cultural e teoria crítica da cultura moderna.
pilarmedeiros@uac.pt

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Revues.org