Navegação – Mapa do site
Recensões

Graeber, David (2011), Debt: The First 5,000 Years

Hugo Miguel Pinto e Ana Rita Carvalho
p. 157-159
Referência(s):

Graeber, David (2011), Debt: The First 5,000 Years. New York: Melville House Publishing, 534 pp.

Texto integral

1No seu livro Dívida, os primeiros 5000 anos, o conceituado antropólogo David Graeber apresenta‑nos uma crítica arreigada ao sistema económico mundial, traçando o perfil antropológico do surgimento do dinheiro, da dívida e dos significados que ambos foram adquirindo no decurso da história da humanidade. Ao traçar o seu perfil histórico, Graeber pretende sensibilizar o leitor para todo um conjunto de assunções normalmente tácitas, comumente aceites no meio económico, traçando paralelismos entre épocas, históricas e civilizações e alertando para as suas incongruências com o objetivo de conduzir o leitor ao questionamento e à reflexão sobre as implicações morais da dívida.

2O tema principal e amplamente retratado de uma perspetiva antropológica centra‑se em torno da dívida que, na análise de Graeber, é a unidade principal de compreensão da história do dinheiro, da economia de mercado, do desenvolvimento da própria humanidade e, em última análise, encerra a compreensão do destino da humanidade, tal como a conhecemos atualmente.

3Ideologicamente questiona a proliferação de um sistema capitalista a uma escala mundial ao colocar em causa o seu primeiro e mais proeminente corolário: a assunção de que todos devemos pagar o que devemos. De um ponto de vista histórico, centrando‑se nas dívidas dos países em vias de desenvolvimento, Graeber condena o capitalismo selvagem e questiona o fundamento do próprio sistema de dívida, ao considerar que o corolário principal do sistema capitalista é muito mais uma afirmação moral do que um princípio económico.

4Graeber evidencia em vários momentos ao longo do seu livro que a forma como pensamos e perspetivamos a dívida, enquanto obrigação moral de reciprocidade entre pessoas ou entidades com dinheiro disponível, faz pouco sentido fora de uma economia de mercado. Durante milénios, as sociedades e os seus cidadãos encontraram formas alternativas e proativas de distribuir, consumir e prestar bens e serviços, de estabelecer relações empresariais e de subordinação profissional e laboral, através de complexas teias de reciprocidade e oferendas entre grupos de parentesco e sociais. Apesar da ampla fundamentação e análise antropológica, o autor, escusa‑se, contudo, a traçar caminhos alternativos ajustados à atual realidade económica e social que possam vislumbrar‑se enquanto soluções credíveis, social e moralmente aceitáveis, de partilha e relação económica.

5Ao longo da sua obra Graeber questiona, igualmente, de forma muito marcada o mito económico de que o dinheiro surgiu como forma de suplantar as dificuldades inerentes às sociedades que operavam em termos de trocas diretas. Aceitando que as bases da vida económica derivam, efetivamente, da natureza e necessidade humana de troca de produtos, aquisição de necessidades e disposição de excedentários, o autor questiona a plausibilidade da ideia amplamente difundida de economias assentes maioritariamente em trocas diretas. A propósito do que Graeber se refere enquanto mito económico, o autor sustenta que as trocas diretas não subsistiam exclusivamente com maior pendor e evidência no seio de uma mesma sociedade, mas antes entre sociedades mais distantes, ímpares ou mesmo inimigas com o registo antropológico dos mais diversos sistemas económicos a nível local. Deste modo, Graeber apresenta‑nos uma visão complexificada do surgimento do dinheiro numa perspetiva mais ampla decorrente da guerra, violência, ostracização e repressão no que Graeber define como economia humana. Ao longo da obra, somos constantemente confrontados com as evidências antropológicas da importância que as relações humanas e a sua própria natureza detêm nas transações económicas. Neste sentido, o autor procura sair da esfera economicista e técnica para nos apresentar uma visão em que parece procurar vislumbrar nas relações humanas e sociais a génese da compreensão das crises económicas dos últimos anos e as revoluções que, mais uma vez, parecem começar a operar‑se.

6Argumentando que, ao contrário do que, porventura seria de supor, a dívida e os seus significados são muito anteriores ao conceito de dinheiro cunhado, Graeber sustenta que a dívida, mais do que uma premissa económica, encontra a sua génese e transformação na esfera das oferendas, da reciprocidade e da troca de presentes ou favores que, ao se tornarem identificáveis e quantificáveis, de forma nem sempre o mais objetiva, adquire um caráter moral que muitas vezes se encontra na origem de grandes conflitos armados e revoluções civilizacionais.

7Neste sentido, Graeber refere inúmeros sistemas sociais nos quais o dinheiro, enquanto unidade económica quantificável, era pouco utilizado pelas pessoas para adquirirem os seus produtos de maior necessidade. Ao invés, as dívidas eram antes muitas vezes pagas através do serviço militar, favores sexuais ou até mesmo através de vidas humanas.

8Antropologicamente, Graeber fundamenta precisamente a dimensão humana e social que sempre circundou o dinheiro, perspetivando, na sua trajetória histórica, o desenvolvimento e a oscilação entre épocas marcadas pelo dinheiro físico, característico de períodos históricos marcados pela generalização da guerra, pelo caos social e tumulto governamental ou religioso, e épocas marcadas pelos sistemas de crédito virtual que tendem a ser dominantes em períodos de alguma paz social, assente em redes de confiança mútua. Deste tema, tratam precisamente os últimos cinco capítulos do livro de Graeber, ao evidenciar uma grande profundidade de análise antropológica e história universal. Graeber salienta, ainda, que nas fases ou nos impérios nos quais o dinheiro físico predominava, as trocas eram efetuadas através de pedaços de metal, com valor relativamente arbitrário, ou de escravos numa sociedade liderada por forte pendor político‑governamental, ao invés das fases em que predominava o crédito virtual, marcadas pela fragmentação da autoridade e poder político em que imperavam a vassalagem, a servidão ou os juramentos de obrigação, o dízimo e o tributo.

9Historicamente, Graeber identifica duas correntes distintas ao nível civilizacional que estabeleceram distintas conceções dos tributos fixos. Por um lado, o sistema egípcio em que o Estado definia de modo quantificável o tributo ou imposto a pagar ao próprio Estado. Por outro lado, o sistema mesopotâmico, alicerçado numa relação de tributos ou impostos a elites societais, como o clero ou mercadores, que quantificavam as relações anteriores de oferendas, estabelecendo um sistema de dívida social a classes proeminentes. Ao longo de toda a obra, o autor parece fazer o constante exercício de conduzir o leitor a traçar paralelismos entre as evidências históricas e antropológicas que vai traçando e a realidade económica e social com que nos deparamos atualmente. Graeber procura, deste modo, trazer alguma clarividência, definindo que a realidade atual é apenas travestida de novas circunstâncias, permanecendo os significados e os mecanismos transformadores relativamente idênticos aos que a antropologia nos permite conhecer, estudar e analisar.

10Perante o atual momento e contexto económico e social, o livro de Graeber constituiu‑se enquanto obra de extrema atualidade e cognitivamente inquietante, que procura conduzir‑nos a refletir sobre a obrigação moral inerente a um sistema de dívida, sendo que a questão do que constitui uma dívida, quem deve pagá‑la, e como deve ser reembolsada, deverá constituir‑se enquanto um processo contínuo de revisão. Ao estabelecer a centralidade da sua obra em torno da importância e omnipresença do conceito de dívida nas relações sociais humanas em todas as sociedades e momentos históricos, Graeber advoga a favor de um modelo de comportamento económico, no qual a partilha, mais do que a reciprocidade, deveria perspetivar‑se enquanto o principal corolário da política económica a nível mundial. Este mesmo sentimento parece ter tido o seu expoente máximo em movimentos sociais, como o “Ocuppy Wall Street” ou as manifestações sociais no âmbito da crise das dívidas soberanas em alguns países no velho continente. Contudo, a maior crítica que se pode fazer a Graeber é a de que tem o mérito de identificar e nos apresentar um conjunto impressionante de evidências do caminho que a sociedade traçou até chegar ao modelo económico e social atual e a lacuna de não nos indicar, claramente, soluções ou indicações de como poderemos progredir de agora em diante, num mundo globalizado e uma realidade com características e desafios seguramente distintos e particulares.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Hugo Miguel Pinto e Ana Rita Carvalho, « Graeber, David (2011), Debt: The First 5,000 Years  », Revista Crítica de Ciências Sociais, 101 | 2013, 157-159.

Referência eletrónica

Hugo Miguel Pinto e Ana Rita Carvalho, « Graeber, David (2011), Debt: The First 5,000 Years  », Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 101 | 2013, colocado online no dia 17 Fevereiro 2014, criado a 26 Julho 2017. URL : http://rccs.revues.org/5409

Topo da página

Autores/as

Hugo Miguel Pinto

Licenciado e professor do Ensino Básico pela Escola Superior de Educação de Castelo Branco (ESECB), licenciado em Ciências Psicológicas e mestre em Psicologia Clínica e da Saúde pela Universidade de Coimbra. Colaborou enquanto bolseiro de investigação no Centro de Estudos Sociais e no Observatório da Cidadania e Intervenção Social da Universidade de Coimbra. É professor de Psicologia da Aprendizagem na ESECB.
hugomiguelpinto@hotmail.com

Ana Rita Carvalho

Licenciada em Ciências Psicológicas e mestre em Psicologia Clínica e da Saúde pela Universidade de Coimbra. Colaborou enquanto bolseira de investigação no Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Vocacional e Social e no Observatório da Cidadania e Intervenção Social da Universidade de Coimbra.
ana.ritadecarvalho@hotmail.com

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Revues.org