Navegação – Mapa do site
Recensões

Iyengar, Sheena (2012), The Art of Choosing

Miguel Oliveira
p. 160-163
Referência(s):

Iyengar, Sheena (2012), The Art of Choosing. London: Abbacus, 336 pp. [3.a ed.]

Texto integral

1O livro A arte de escolher dispõe de um prólogo titulado “Past is Prologue” a que se seguem sete capítulos e um epílogo, rematados com um posfácio para a edição paperback aqui recenseada. Capítulo 1 – “The Call of the Wild”; Capítulo 2 – “A Strange in Strange Lands”; Capítulo 3 – “The Song of Myself”; Capítulo 4 – “Senses and Sensibility”; Capítulo 5 – “I, Robot?”; Capítulo 6 – “Lord of the Things”; Capítulo 7 – “And Then There Were None”. Para além deste núcleo e de seis páginas de agradecimentos, o livro oferece ainda notas de apoio à leitura de cada capítulo que, não sendo remetidas do texto, evitam o vaivém que a sua leitura na própria página ou no fim implica, e descrevem os factos ou histórias “inspiradoras” dos conceitos, problemas e investigações, ou sinalizam e comentam alguma da bibliografia que é explícita ou implicitamente referida em cada capítulo. Por fim, o livro dispõe de um profuso índice remissivo que permitirá revisitações “guiadas” dos temas que nos capítulos ocorrem, por vezes no meio de “narrativas” de cariz pessoal ou jornalístico que poderiam, por essa razão, perder a referência ao interesse explicativo a que estão associadas.

2Livros que ostentam no título “A arte de…”, como o que aqui se apresenta, podem não passar de um receituário para lidar com o problema que tratam sob uma fórmula de “autoajuda”, o que muitas vezes ocorre em livros de divulgação para o grande público, especialmente quando se trata de psicologia. Considere‑se, pois, esta frase: “Equilibrar esperanças, desejos e a apreciação das possibilidades avaliando as limitações lucidamente: esta é arte de escolher.” (p. 277). Na verdade esta é a última frase do livro. Aqueles que gostam de dar um “salto” ao fim para, como nos livros policiais, confirmar a culpa do mordomo, poderão ficar com a impressão de que se trata realmente de um manual de autoajuda que termina com uma frase a um tempo trivial e opaca. Se desistirem da leitura com base nas opacidade e trivialidade da mesma, perderão a oportunidade de colher os elementos concretos e explícitos contidos em “esperança”, “desejo”, “possibilidades”, “avaliação”, “lucidez” e “limitações” que compõem a frase. O problema adensa‑se se atentarmos agora noutra frase: “Fazemos escolhas e na volta somos feitos delas. A ciência pode ajudar a tornar‑nos decisores mais capacitados, mas no seu âmago, a escolha permanece uma arte.” (p. 268). Talvez agora o desejo de conhecer o fim da história de antemão se revele menos provável, embora a frase esteja também na parte final do livro. Mas, no caso de acontecer, antecipando o final, o leitor poderá formar a impressão de que algo mais ocorre neste livro. Talvez este seja o sentido que “arte” ali assume: o que escapa à lente do cânone científico, revelando os limites que esse olhar impõe ao tema da escolha, expõe outras linhas e elementos que, permitindo capturar a substância do tema, se constituem numa “arte de escolher”. A arte pode ser vista, assim, mais como um caminho de superação da frustração a que o objeto condena na sua interpelação científica, do que uma via natural de “figuração”, “narrativa” ou “receituário” da decisão.

3A sugestão que o título do livro de Sheena Iyengar avança encontra um sinal seu na afirmação de que “‘Escolha’ pode significar tantas coisas diferentes e o seu estudo abordado de modos tão distintos que um livro não pode conter a sua completude.” (p. xii), ao qual se junta o truísmo de que a escolha perpassa por todo um espectro de ação que vai “do trivial à transformação da vida” (p. xiii).

4A escolha estará, pois, por todo o lado e levanta de antemão a suspeita de que, por essa mesma razão, a determinação do que é a escolha seja ela mesma elusiva face ao poder de fundamentação lógico‑matemático ou da observação laboratorial ou de campo. Disso mesmo é testemunha a breve história da decisão a partir da publicação da Teoria dos jogos e comportamento económico de von Neumann & Morgenstern (19531), que viu acentuar‑se o declínio lento mas firme da sua premissa racional normativa (maximização da utilidade esperada), a par da crescente adoção dos elementos descritivos, decorrentes de premissas inaugurais das ciências sociais e sustentados em crescente evidência de anomalias à luz do paradigma da racionalidade laplaciana (Gigerenzer, 20082).

5No posfácio em que Iyengar faz um resumo inteligente da obra, não repetidor do “essencial” de cada capítulo, procede‑se a uma alusão à receção pública das primeiras edições do livro, que se caracteriza pela perplexidade dos leitores que se manifestam “um pouco esmagados pela complexidade da escolha e pela enorme quantidade de informação.” (p. 269). Quanto a nós, tal perplexidade não dependerá verdadeiramente da escrita, por vezes de uma fluidez e clareza invejáveis, num registo pessoal, pontuado por referências à literatura universal, à investigação científica ou à vida simples do dia a dia. Porventura decorrerá antes da natureza intrínseca do objeto “escolha”, que insistentemente surge como refratário a uma definição única.

6Não obstante o estilo e os seus efeitos quanto a uma definição prescritiva de “escolha”, uma vez lido por inteiro, o livro servirá bem o leitor pela competente descrição do estado da arte, essencialmente do ponto de vista da biologia e da psicologia social e intercultural, apoiado em notas a cada capítulo, já acima referidas. Afinal, a perplexidade dos leitores será mais um sinal da competência da descrição (insistimos de leitura agradável e não muito exigente) que parece conseguir transmitir a mais óbvia interpretação do que hoje se sabe sobre escolha e decisão no campo científico, abstendo‑se no mesmo passo de assinalar “o” caminho, seguindo inclusivamente, por vezes, um tom provocatório pelo caráter dilemático da exposição, e fugindo assim a qualquer tentação de estabelecer receitas prontas a usar.

7Mas este livro acrescenta ainda outro ponto de interesse: Iyengar discorre sobre temas centrais da nossa vida atual (e.g. consumismo, tolerância, globalização, religião) que consegue fazer girar em torno da escolha ou do escolher, o que funciona como um magneto que tudo atrai na vida individual, grupal ou em sociedade.

8Antes, porém, é importante sublinhar que, do ponto de vista da psicologia, “A arte de escolher” percorre os themata de onde atualmente emergem as principais discussões em torno da decisão e da escolha. Não envereda, claro está, por discussões académicas sobre teorias normativas, prescritivas e descritivas da decisão, mas remete no caso das últimas para a evidência e interpretação científicas, por vezes problemáticas e não definitivas, que permitem traçar os contornos afetivos, cognitivos, motivacionais, culturais e políticos que enformam as escolhas do dia a dia, como as de longo prazo. Bom exemplo disso é a sequência que Iyengar consegue imprimir no livro, começando na noção da escolha como instintiva ou consciente e livre (situações extremas de vida ou morte de animais e seres humanos), seguindo para as condições individuais intrínsecas e extrínsecas. E daqui decorre que, neste jogo de condicionantes internas e externas, que podem ou não ser extremas, a circunstância da escolha seja sempre determinada por uma perceção, mais ou menos verídica, quanto ao maior ou menor controlo que sobre ela detém aquele que escolhe (uma vez mais ser humano ou animal). Este desenvolvimento vai adensando o problema da escolha, revelando uma tessitura para a qual todos estes fatores contribuem de forma desigual.

9A autora parte de uma definição de decisão ou escolha que, no mundo ocidental, é familiar e remete para o livre arbítrio e para o poder de controlo e de formação de identidade individuais e, em última análise da felicidade (o “American Dream”). Ilustração interessante e eloquente é a da lista de escolhas feitas ao longo de um dia inteiro por um grupo de estudantes norte‑americanos a viver em Tóquio, que revelam que qualquer ato mais ou menos automático, habitual ou trivial era considerado uma escolha (no sentido de deliberação) por parte de um sujeito consciente, determinado a cumprir um plano. As listas equivalentes feitas por alunos japoneses com o mesmo propósito correspondiam a folhas quase em branco. Muitas comparações interculturais são descritas de forma anedótica ou com evidência científica, resultando na fragilização da conceção familiar de escolha como dependendo exclusivamente de uma “vontade” individual e consciente. A autora discorre sobre como estas diferentes experiências subjetivas (na verdade também coletiva e culturalmente determinadas) implicam vivências distintas da cidadania e da ética. Um outro ponto de realce neste livro é o da questão da abundância de escolhas que somos obrigados a contemplar na organização social atual (e.g. consumo, saúde, finanças) e da abundância de opções dentro de uma mesma escolha. É o caso do questionário realizado por Iyengar em países do Leste da Europa, pouco tempo após a queda do Muro de Berlim (Alemanha, Polónia, Ucrânia, Rússia), em que cidadãos desses países se referem a uma opção entre sete marcas de refrigerantes (Coca‑Cola, Pepsi, etc.) como uma escolha simples entre beber/não beber refrigerante. A edição dos elementos da própria estrutura ou arquitetura da escolha parece determinada por uma vivência em que as marcas não são um atributo a dar atenção, alterando a própria natureza da escolha. Mas a esta questão intercultural acresce uma outra, mais funda, sobre o valor da variedade de escolha, pelo menos em território dos EUA, e que está intimamente associada à liberdade de escolha (mas poderia de forma algo mitigada ser também na Europa Ocidental). Recorrendo à série “The Simpsons”, em que o mercado de Springfield, chamado Monstromart, tem como lema a frase “Onde comprar é uma desconcertante provação” (p. 206), Iyengar consegue resumir o problema da escolha – especialmente no consumo: ao ver em muitas opções de escolha uma vantagem, podemos estar a reduzir a possibilidade de bem escolher devido a limitações cognitivas (de cálculo, de memória, de perceção, conduzindo à confusão e fadiga) e afetivas (desapontamento e arrependimento associados à escolha feita nessas condições), independentemente do fator motivacional que, em primeiro lugar, determinou desejo ou a necessidade de consumo. A pesquisa que tornou Iyengar famosa na área do marketing e da psicologia da decisão é precisamente aquela em que o fator número (variedade) de opções é manipulado com consequências contraintuitivas (capítulos 5 e 6). Se condescendemos que ter muitas opções é equivalente a uma condição para o exercício de liberdade de escolha, não damos conta de que nem sempre saímos mais contentes com a decisão tomada, como seria de esperar, como podemos inclusive sentir mais felicidade escolhendo num contexto em que a quantidade de opções é menor.

10Por fim, referimo‑nos a dois exemplos impressivos pela mescla de implicações que escolhas aparentemente privadas (consideradas individualmente ou em família) podem ter com consequências muito relevantes do ponto de vista ético, social e político. É o caso da descrição que Iyengar faz de escolhas como são as de “desligar” a máquina de um paciente (uma criança) em suporte de vida artificial ou do suicídio na terceira idade. As dimensões ética e técnica (de descrição dos processos e seus efeitos nos decisores) associadas a elementos de perceção e avaliação sob quadros culturais distintos, transmitem o sentido poderoso que a escolha assume nas nossas vidas seja para glosar o caráter individual ou coletivo da escolha, seja para salientar a sua dificuldade intrínseca. No primeiro caso, trata‑se da comparação intercultural (EUA/França) sobre a responsabilidade em escolhas reais que consistem em manter ligado ou fazer desligar o suporte artificial de vida de uma criança que terá sempre, mesmo que mantida viva, profundas lesões cerebrais numa condição de total dependência. A delegação da escolha nos médicos, como sucede num caso em França, ao contrário do que acontece num caso equivalente nos EUA em que a decisão e responsabilidade são exigidas aos pais, revela‑se para estes últimos como um momento insuperável e originador de sentimentos de culpa inultrapassáveis. Embora esta experiência seja também difícil e marcante para os pais franceses, estes mostram‑se mais capazes de lidar com a perda e motivados para enfrentar a vida.

11O segundo caso, relativo a suicídio/eutanásia voluntário/a, é o da escritora Jane Aiken Hodge, que decidiu e planeou suicidar‑se aos 91 anos de idade, solitariamente e em segredo (armazenou durante anos os comprimidos necessários para o efeito), não obstante não ter, para a idade, qualquer problema de saúde “fatal” ou não controlado. Fê‑lo, contudo, sem incorrer em qualquer delegação de responsabilidades inerentes a quem eventualmente estivesse ligado à assistência do seu suicídio.

12A força desta evidência (casuística neste último caso ou quasi‑experimental no primeiro) é essencialmente problematizadora, lembrando que, na prática, tais decisões e escolhas são feitas efetivamente e, tal como os animais ou homens em situações extremas, a perceção de que controlamos a situação e, por isso, decidimos voluntariamente, assume intensidades e formas diversas, fazendo justiça à necessidade de aceitar que “escolher é uma arte” no sentido que a autora em várias instâncias do livro sugere.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Miguel Oliveira, « Iyengar, Sheena (2012), The Art of Choosing », Revista Crítica de Ciências Sociais, 101 | 2013, 160-163.

Referência eletrónica

Miguel Oliveira, « Iyengar, Sheena (2012), The Art of Choosing », Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 101 | 2013, colocado online no dia 17 Fevereiro 2014, criado a 27 Julho 2017. URL : http://rccs.revues.org/5413

Topo da página

Autor/a

Miguel Oliveira

Doutorado em Psicologia Cognitiva pela Universidade de Coimbra (UC), é investigador do Centro de Estudos Sociais. Foi professor auxiliar da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da UC, lecionando Ética, Epistemologia e História da Psicologia. É membro de equipa dos projetos “BEHAVE – Uma abordagem comportamental às decisões de crédito ao consumo” e “FINFAM – Finanças, Género e Poder: como estão as famílias portuguesas a gerir as suas finanças no contexto da crise?”, financiados pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia.
moliveira@ces.uc.pt

Artigos do/da mesmo/a autor/a

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Revues.org