Navegação – Mapa do site
Recensões

Skeggs, Beverley, Class, Self, Culture.

João Valente Aguiar
p. 192-193
Referência(s):

Skeggs, Beverley (2002), Class, Self, Culture. London: Routledge, 215 pp.

Texto integral

1Editado na colecção Transformations: Thinking Through Feminism da Routledge, a obra da socióloga Beverly Skeggs (actual directora do programa de doutoramento em Sociologia no Goldsmiths College, Londres) evidencia uma interessante abordagem a três conceitos regularmente pouco relacionados entre si: classe, self (o eu) e cultura. Tomando como ponto de partida este triângulo conceptual, a autora enfatiza um quadro analítico bastante revigorante para a necessidade de cada vez mais se articular a Sociologia das Classes Sociais com a Sociologia da Cultura.

2Com efeito, Skeggs começa por analisar o que considera serem os processos mais estruturantes da projecção dos conceitos de classe, self e cultura, nas suas palavras, a inscrição, a troca, o valor e a perspectiva. No fundo, a autora procura perspectivar de que forma os discursos e representações do eu se inscrevem em lógicas menos visíveis nas classes sociais. Assim, a inscrição regista uma íntima conexão entre a “forma como os corpos são inscritos simultaneamente por diferentes sistemas simbólicos” e a percepção recolhida das modalidades “de interpretar o corpo” (p. 3) socializado. Por seu turno, a troca convoca um estudo da formação do eu individual, personalizado e independente na contemporaneidade (a partir da criação de figuras como o cidadão, o consumidor ou o agente económico que vende factores produtivos no mercado) e da consequente objectivação de (inter)acções na arena social (p. 9). Mantendo um olhar fortemente ancorado no corpo como espaço de materialização do self, Skeggs presta forte atenção “às vias de como o valor é marcado ou lido nos corpos” (p. 14), passo onde o corpo socializado, o self reflexivo e cognosciente e as trocas dos agentes no espaço social se replicam. Neste ponto, a autora resgata as teses de Pierre Bourdieu da economia simbólica, entendida aqui como “organização sistemática do simbólico”, factor indutor “da troca e da atribuição de valor” significacional e identitário “por uma vasta rede de campos” (p. 15). Reforçando a noção de que o self consagra um ponto de intersecção entre dinâmicas colectivas (de classe, de género, étnicas) e individuais, Skeggs avisa para a necessidade de não se reduzir o self a um conjunto de discursos mais ou menos dissonantes. O self é, assim, “todo um sistema de inscrição, de troca, de perspectivas e de práticas que o tornam possível” (p. 19).

3Justifica-se afirmar que a socióloga britânica procura, num primeiro momento, situar o self num quadro de determinação pluricausal e com uma raiz social. De seguida, como procuraremos demonstrar, é a partir desta envolvência de ordem simbólico-ideológica que Skeggs trabalha a conexão entre classe social e cultura. Mais do que definir taxativa e classificatoriamente o conceito de classe social, a autora preocupa-se em aplicar princípios teóricos que permitam compreender a produção simbólica e a estruturação do campo das classes. Nesse sentido, o enfoque avançado sublinha a produção simbólica da classe (p. 27). Ou seja, de como um grupo de práticas e de posições no espaço social respira signos, valores, identidades, todos eles entrecruzados e emaranhados entre si. Recusam-se aqui purismos atribuídos de um modo essencialista a determinadas classes sociais. Neste capítulo, as classes sociais interactuam não somente no plano material – isto é, no acesso a recursos económicos e políticos. De facto, da supramencionada produção simbólica da classe pulsa uma viva batalha e intersecção discursiva em torno da identificação de princípios legítimos de construção subjectiva do self, tanto no que ele tem de singularmente traçado, como no que nele é retrabalhado pela troca de discursos e de lençóis simbólico-ideológicos no espaço social.

4A este propósito, Skeggs estrutura três capítulos da sua obra em torno de outros tantos discursos e processos sociais e simbólicos de construção e desconstrução de determinadas classes sociais. Em primeiro lugar, a autora analisa a temática da mobilidade e do individualismo, com particular incidência nos cambiantes ideológicos que deles decorrem. Neste ponto, começa-se por destacar um procedimento metodológico de partida: interrogar-se sobre a viabilidade empírica das teses da universalização da mobilidade, algo que demanda visualizar “quem pode mover-se e quem não pode, e que corpos móveis/fixos requerem recursos para ganhar acesso a diferentes espaços” (p. 48). Subsequentemente, Skeggs vai desenvolver uma linha argumentativa de crítica às propostas do self em Ulrich Beck e Anthony Giddens. Em traços gerais, a autora defende o enunciado de que no centro destas teorias do self (quase absolutamente) autónomo e reflexivo “está um indivíduo incrivelmente voluntarista”, que adicionalmente “poderia escolher que forças estruturais poderia tomar em linha de conta e sobre as quais poderia agir” (p. 52) e moldar.

5Em segundo lugar, Skeggs debruça-se sobre a retórica política de classe. Mais do que o discurso abertamente ideológico e recorrente na assunção do vocábulo “classe”, como o que ocorre em organizações sindicais e políticas do movimento operário, assiste-se aqui a uma abordagem centrada no discurso político de raiz neoliberal – uma modalidade discursiva pública que se apresenta com traços de inevitabilidade, de tecnicidade e de naturalidade. Recorrendo a uma análise de conteúdo de textos políticos da Terceira Via e do Novo Trabalhismo incorporados por Tony Blair, Skeggs sustenta que subsiste no corpo narrativo de um certo neoliberalismo “um trabalho retórico de mobilizar os agentes por detrás desses discursos políticos” (p. 81). Em simultâneo, a autora procura ilustrar esta dinâmica com elementos provenientes do Thatcherismo, nomeadamente a forte correlação enunciada entre serviços públicos e a profusão de “desperdícios”. Os discursos sobre a família enquadram-se por referência a categorias públicas como as de “respeito mútuo” e de “conduta aceitável” (p. 82). Ao colocar a tónica na responsabilidade individual e em imperativos morais, tal discurso, argumenta Skeggs, contribuiu para omitir o papel das políticas económicas monetaristas e ultra-liberalizadoras na manutenção (ou ampliação) de fenómenos de exclusão social e discriminação racial no Reino Unido. Aliás, a construção simbólica das classes sociais neste tipo de discursos políticos passa por critérios de índole moral, muito raramente económicos ou sociais. Assim, facilmente se constroem três classes morais/sociais: as elites políticas e económicas, a gente “trabalhadora”, “respeitável”, “decente” e que vive dos seus rendimentos – as classes médias – e uma subclasse constituída por imigrantes, excluídos e “desclassificados”. Esta nova construção simbólico--ideológica, que faz equivaler populações desfavorecidas a uma espécie de neo-classe perigosa, é exemplarmente retratada por um extracto do jornal Sunday Times, citado pela autora, acerca da chamada “subclasse”: “aqueles que não mais partilham as normas e aspirações do resto da sociedade, aqueles que nunca conheceram uma família tradicional com pai e mãe, aqueles que estão disponíveis para recorrer às drogas e ao álcool na primeira oportunidade, aqueles que tiveram péssimos resultados na escola e que rapidamente abraçaram comportamentos desordeiros e criminosos” (citado na p. 87).

6Em terceiro lugar, Skeggs analisa o “intitulado self da classe média” (p. 135). Neste ponto, a autora dialoga criticamente com Mike Featherstone sobre a tendência de estetização da vida quotidiana presente nas chamadas classes médias. A ênfase da personalidade como elemento distinto e especial – o indivíduo “ressaltando da multidão” (p. 137) –, bem como no consumo transformado numa prática de recriação estética e emocional dos agentes sociais, denota uma saliente “preocupação com os estilos de vida” (p. 138). Por outras palavras, a busca pela afirmação de vivências singulares e com perfumado impacto de estilização do vestuário, do corpo e da postura assoma como um desígnio central das classes médias, nomeadamente as camadas destas classes sociais mais estreitamente vinculadas com o que advogou denominar como novos intermediários culturais. Assim, a vida social desta fracção das classes médias coaduna-se com a adopção de projecções individuais e familiares no espaço social como se de uma performance se tratasse. Em simultâneo, a autora invoca um interessante termo para ilustrar as “formas de extensão […] e de adição de um objecto que possa expandir as hipóteses” (p. 139) de tornar o seu corpo e a sua vivência numa obra de arte esculpida em cada instante. A prótese, assim é cunhado este processo de adjudicação de objectos e de moldagens estéticas do corpo, retrata o processo de apropriação social e simbólica por parte de certos contingentes da nova pequena burguesia. A isto acrescente--se que a relação de exteriorização do corpo, de busca obsessiva por um padrão determinado de beleza, a ornamentação, a sensualidade apensa à decoração corporal e o hedonismo consubstanciam duas dinâmicas interligadas. Por um lado, a afirmação de um estilo de vida, como se sublinhou acima, estetizado. Por outro lado, a assertividade de um tal estilo de vida implica a diferenciação relativamente a outras classes sociais. Assim sendo, Skeggs defende a tese de que o ethos das classes médias sobrevive à custa de um pathos: o fantasma da cultura das classes trabalhadoras com índices apreciáveis de precarização social e laboral. Nesse sentido, de acordo com vários estudos mencionados por Beverly Skeggs, estas últimas são amiúde caracterizadas como “estagnantes” e apontam para um padrão de comportamento social onde a “imobilidade” (p. 153) seria uma obviedade social. O jogo de espelhos é aqui evidente. Onde a classe operária remanescente destilaria uma imagem de boçalidade, grosseira e antiquada, as classes médias apresentar-se-iam como inovadoras, dinâmicas, (pós-) modernas.

7Em síntese, está-se perante um ensaio teórico de grande densidade e com pistas analíticas estimulantes. A perspectiva focalizada nos interstícios entre a Sociologia das Classes Sociais e a Sociologia da Cultura contribui para reforçar as possibilidades de surgirem estudos com uma vertente mais empírica em torno das sempre complexas relações entre “novas mercantilizações, novas atribuições de valor, novas formas de apropriação, exploração e governação, e novos eus” (p. 186).

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

João Valente Aguiar, « Skeggs, Beverley, Class, Self, Culture. », Revista Crítica de Ciências Sociais, 83 | 2008, 192-193.

Referência eletrónica

João Valente Aguiar, « Skeggs, Beverley, Class, Self, Culture. », Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 83 | 2008, colocado online no dia 01 Outubro 2012, criado a 19 Setembro 2017. URL : http://rccs.revues.org/592

Topo da página

Autor/a

João Valente Aguiar

Investigador associado do Instituto de Sociologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Doutorando em Sociologia pela mesma instituição e bolseiro de doutoramento da FCT. Licenciado em Sociologia pela FLUP.
joaovalenteaguiar@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Revues.org