Navegação – Mapa do site
Recensões

Miguel Cardina, A tradição da contestação. Resistência estudantil em Coimbra no Marcelismo.

Maria Manuela Cruzeiro
p. 209-211
Referência(s):

Miguel Cardina, A tradição da contestação. Resistência estudantil em Coimbra no Marcelismo. Coimbra: Angelus Novus, 2008, 256 pp.

Texto integral

1A tradição da contestação é um título aparentemente ambíguo, pela contradição nos termos que sugere e, consequentemente, pelo desafio que lança ao leitor. Na verdade, tradição opõe-se a contestação, como continuidade a mudança. Sendo, aliás, os dois pólos em que se equilibra a vida das sociedades, a sua ligação parece improvável, se não mesmo impossível. Contudo, a leitura das primeiras páginas deixa muito clara a intenção do autor, mostrando como a heterodoxa aliança dos dois conceitos é, afinal, a linha mestra e o mérito maior da sua investigação: recuperar o fio de continuidade, por vezes pouco visível, que liga os movimentos de contestação dos longos anos sessenta em Coimbra, contrariando “a propensão para glorificar momentos particulares em detrimento de um esforço compreensivo mais amplo” (p. 17).

21. Várias razões existem para que essa tendência descontínua e episódica prevaleça sobre o esforço para trazer à superfície algo que corre subterraneamente. Antes de mais, o carácter da memória geracional, intensa, mas curta e fragmentada, que serve “quase exclusivamente, sob a forma de citações avulsas e algo inócuas, para legitimar a fortiori determinadas atitudes de circunstância” (Rui Bebiano). Datas e protagonistas célebres e de grande carga afectiva e simbólica, como os vários Dias do Estudante que se seguiram ao mais emblemático (1962), as Cheias e a Tomada da Bastilha de 1967 e 68, ou o 17 de Abril de 1969, sobrepõem-se assim, a um continuum quase invisível, através de um sobre-investimento de sentido que, paradoxalmente, em vez de força catalisadora e de movimentação colectiva, induz preocupantes mecanismos de bloqueio e de apatia.

3Assim, entre dois extremos parece oscilar a utilização actual dessa memória: por um lado, uma atitude reverencial para com esses momentos acriticamente sacralizados, patente nas constantes cerimónias comemorativas, na verdadeira onda editorial de álbuns de recordações, nas incontáveis homenagens aos principais heróis dessa pequena epopeia, ou mesmo na recolha repetitiva e nostálgica dos seus testemunhos.

4Por outro, uma visão meramente instrumental que, de forma mecânica, procura falsas correspondências entre as lutas de hoje e as lutas de ontem, como aconteceu, por exemplo, na contestação dos anos 90 contra as propinas. E mesmo nos relativamente frequentes momentos em que a Academia pretende avançar no sentido de produzir pensamento crítico sobre esse passado, permanece a incómoda sensação de que se está sempre a partir do zero, a começar do nada. É o que acontece, a título de exemplo, com a reflexão em torno da praxe, verdadeiro case study dos movimentos da juventude universitária, particularmente coimbrã. Ciclicamente, é retomada como emblemática bandeira de contestação pelos sectores mais progressistas, como se fosse a primeira vez. Ora, como mostra Miguel Cardina “contrariamente aos anúncios provenientes de uma certa apologética coimbrã, a praxe foi sendo alvo, ao longo dos tempos, das mais variadas críticas” (p. 27). E a atitude mais drástica da sua suspensão, como forma de luto académico na mais famosa de todas as crises, a de 1969, já tinha sido adoptada em idênticas situações de excepção.

52. De muitas outras continuidades, sem deixar de assinalar as inevitáveis rupturas, trata este livro que, embora se concentre com mais profundidade num período mantido na sombra – o período marcelista – recua aos anos 50, época em que se começa a formar em todos os sectores (e não só no universitário) uma poderosa cultura de juventude, o que obrigou a um esforço de renovação metodológica e temática, desafio a que muitos historiadores ainda não souberam dar resposta adequada. Miguel Cardina revela, pelo contrário, um muito claro entendimento desse fenómeno, bem como um perfeito domínio dos recursos metodológicos adequados a detectar “a penetração de novos modelos culturais oriundos de uma cultura juvenil em insurgência nos mais variados pontos do globo” (p. 204).

6Assim, se a politização progressiva do meio estudantil coimbrão de 1970 até às vésperas do 25 de Abril, é o leitmotiv da obra, ela insere-se num vasto quadro das mudanças de referências intelectuais, estéticas, de comportamento e de sociabilidade que marcou decisivamente toda a década, segundo uma tradição de contestação em que cada geração é muito mais herdeira de tendências vindas de trás (mesmo se as renova e re-orienta) do que imaginam os seus actores.

73. É justamente esse quase sempre acidentado e conflituoso “diálogo” entre o movimento estudantil dos anos 70 e os seus antecessores, especialmente a crise de 69, o aspecto mais inovador desta obra. Pela primeira vez objecto de um estudo sistemático, os anos 70 aparecem-nos assim, a partir de agora, menos como “tempo de desorientação e refluxo, de radicalização inconsequente” e mais como “anos de emergência de um novo período crítico” (p. 205)

8Na verdade, situados entre dois momentos míticos – 1969 e 1974 – os anos 70 pisam um terreno movediço e, mais do que isso, armadilhado pela autoproclamada abertura marcelista. A substituição no Ministério da Educação de José Hermano Saraiva, um ministro do antigamente, por Veiga Simão, um tecnocrata reformista, coloca o movimento perante novos e insuspeitados desafios: mais do que a contestação de uma universidade antidemocrática, selectiva e elitista, tratava-se de desmascarar uma universidade “adaptada às novas necessidades do desenvolvimento do capitalismo em Portugal” (p. 130). Esta era, afinal, a contradição de fundo, onde desaguam tantas outras, causadoras das específicas dificuldades com que se defrontou o movimento.

9Uma reforma orientada pelo lema ‘Democratização da Universidade’, que rapidamente substituiu o clima de diálogo pela instauração do “estado de sitio”, através da entrada no espaço inviolável da universidade de agentes policiais que, ao contrário da habitual discrição dos informadores da PIDE, espancavam e prendiam estudantes de forma discricionária e violência desproporcionada.

10Um ministro que quis ligar o seu nome à pacificação da vida académica, promovendo a famosa sessão de pedido de desculpas ao Presidente Tomás, mas não impediu a incorporação no Exército de 49 dos mais destacados dirigentes de 69, nem hesitou em encerrar a AAC.

11Estas são as condições concretas que explicam “uma fragmentação do activismo e a uma radicalização das suas bandeiras” (p. 133), segundo uma dinâmica de retracção totalmente oposta à expansão que aconteceu em 69, em que a relativa despolitização do movimento lhe permitiu um notório alargamento da base de apoio. Por outro lado, a neutralização do centro natural do movimento que era a AAC fez dos cursos, não o elo de uma cadeia que transportava a contestação da Associação, estrutura dirigente no terreno da movimentação de massas, para a Universidade, mas sim o único local de livre participação e decisão. Uma espécie de bolsa de resistência que explodia no espaço público de forma espontânea, diversificada e violenta, mas também mais vulnerável à repressão imediata. O herói desta espécie de guerrilha, ou guerra de posições (por contraste com a guerra de manobras para usar a terminologia de Gramsci), não é já o dirigente associativo, mas o estudante de base que, sem a mediação das estruturas associativas, passa a ser o único intérprete das grandes questões que afligem a juventude portuguesa. E de todas, a mais dramática: a Guerra Colonial. Se, em 1969, era ainda um assunto quase tabu, a contestação da guerra passa a ser o cerne da reivindicação estudantil. Por sua vez, o governo, enredado nas suas próprias contradições, passa a utilizá-la como arma de arremesso. “No contornar da década, já não só a falta de aproveitamento escolar mas também os desvios ao bom comportamento passam a ditar a incorporação. A estratégia custaria caro ao regime: nos quartéis e nas frentes de batalha, a politização das tropas, cansadas de uma guerra interminável, ganhava contornos cada vez mais nítidos.” (p. 138).

12Podem não ter sido heróicos, nem sequer festivos estes anos de chumbo da Primavera marcelista, marcados pela emergência crescente de pequenos grupos que compensavam em sectarismo ideológico-político e combatividade prática a ausência de unidade e de implantação nas massas estudantis. Mas a história compreensiva, a igual distância da diabolização ou do endeusamento, que deles nos oferece Miguel Cardina mostra o seu contributo decisivo na denúncia do impasse e da caricatura em que as promessas liberalizantes se afundaram. E essa não é uma pequena glória para os incompreendidos activistas dos anos 70. Afinal, por entre por entre êxitos e fracassos, não deixaram de eleger como principal bandeira de contestação a Guerra Colonial. E foi ela o caminho mais curto para o 25 de Abril.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Maria Manuela Cruzeiro, « Miguel Cardina, A tradição da contestação. Resistência estudantil em Coimbra no Marcelismo.  », Revista Crítica de Ciências Sociais, 81 | 2008, 209-211.

Referência eletrónica

Maria Manuela Cruzeiro, « Miguel Cardina, A tradição da contestação. Resistência estudantil em Coimbra no Marcelismo.  », Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 81 | 2008, colocado online no dia 01 Outubro 2012, criado a 20 Novembro 2017. URL : http://rccs.revues.org/663

Topo da página

Autor/a

Maria Manuela Cruzeiro

Mestre em Filosofia Social e Política. Investigadora do Centro de Documentação 25 de Abril e investigadora associada do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Publicou recentemente: Anos inquietos: vozes do movimento estudantil em Coimbra (1961-1974) (com Rui Bebiano, Porto: Afrontamento, 2006).
manuelacruzeiro@ci.uc.pt

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Logo Compete 2020
  • Logo Portugal 2020
  • Logo Fundos Europeus Estruturais e de Investimento
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia
  • Revues.org