Navegação – Mapa do site
Recensões

Manuel Carvalho da Silva, Trabalho e sindicalismo em tempo de globalização: reflexões e propostas.

Hugo Dias
p. 214-217
Referência(s):

Manuel Carvalho da Silva, Trabalho e sindicalismo em tempo de globalização: reflexões e propostas. Mafra: Círculo de Leitores, 2007, 504 pp.

Texto integral

1Num contexto em que se configuram novas e velhas formas de exploração e de opressão, “porque é que não se tem reforçado o movimento sindical?” (p. 19). Esta é uma das interrogações fortes que orienta a presente obra de Manuel Carvalho da Silva (MCS). As suas hipóteses de trabalho dão ênfase, por um lado, à afirmação da centralidade do trabalho, e por outro, aos sindicatos enquanto actores colectivos fundamentais para a transformação e desenvolvimento da sociedade, o que comportaria ainda a necessidade “de serem adoptadas significativas readaptações estruturais, organizacionais, de estratégias e de processos de trabalho” (p. 468).

2Dispensando apresentações, o autor envereda por um caminho ambicioso mas urgente. O debate em torno do papel do sindicalismo no contexto actual de acentuação dos processos de globalização não é novo, mas reveste-se de grande actualidade e as pistas para a sua renovação continuam largamente por explorar.

3Parte significativa do interesse pelo seu livro decorrerá do facto de ser da autoria de um actor central no mundo sindical português das últimas décadas. A dupla condição de sindicalista e sociólogo poderia colocar riscos à construção de um objecto de estudo e ao desenvolvimento de uma capacidade analítica rigorosa. O autor assume uma posição epistemológica crítica face aos preceitos positivistas, recusando a neutralidade axiológica, mas accionando mecanismos de reflexividade que passam por enunciar à partida o seu percurso biográfico como forma de dar a conhecer “as condições do conhecimento” produzido, bem como pelo recurso sistemático à teoria enquanto orientadora da pesquisa.

4A parte I do Livro é centrada sobretudo nas grandes transformações socioestruturais ocorridas. Trata-se de fenómenos que têm sido objecto de amplo debate, mas que o autor procura relacionar com os impactos ocorridos na esfera do trabalho: a aceleração dos processos de globalização económica, unificação dos mercados e internacionalização do processo produtivo; agravamento das desigualdades sociais; papel das empresas multinacionais; flexibilização das modalidades contratuais, da duração e organização do tempo de trabalho.

5É sobre este pano de fundo que o autor desenvolve uma argumentação em torno do não deteminismo das mudanças em curso, dos debates acerca do fim do trabalho, afirmando a centralidade deste, que condensa em nove componentes, bem como da afirmação do papel e da actualidade dos sindicatos. MCS desenvolve, no seu modelo de análise, três tipos de abordagem: socioestrutural, politico-organizacional e interactivo, atribuindo, no entanto, primazia ao primeiro “como o nível básico da constituição das condições sociais de onde emerge a acção colectiva” (p. 68).

6Na parte II, são desenvolvidos os estudos de caso, nos quais MCS procura colocar em diálogo teoria e empiria. A emergência do sindicalismo em Portugal, indelevelmente associado à CGTP, é abordada pelo autor, que identifica a sua génese no aumento da conflitualidade social nos anos 60, conjuntamente com a criação de um movimento sindical anti-corporativo que daria origem à Intersindical em 1970. Realizando uma descrição exaustiva do percurso da CGTP, identifica as diferentes condições da acção sindical, antes do 25 de Abril e após o advento democrático, que divide em quatro momentos distintos.

7Dedica igualmente atenção aos principais marcos do processo de construção do “Diálogo Social” no quadro da União Europeia, que surge a contraciclo face aos ventos desreguladores. Coloca no centro desta análise o papel do movimento sindical europeu, apontando a complexidade, mas também os limites da intervenção da Confederação Europeia de Sindicatos num contexto de pouca disposição patronal para a realização de “compromissos sérios” com vista à manutenção do modelo social europeu. Carvalho da Silva aborda também a relevância da contratação colectiva para os sindicatos, apontando os contributos destes na promoção do desenvolvimento da economia e da sociedade

8Finalmente, MCS apresenta três estudos de caso que incidem sobre três complexos de empresas, com origens e percursos diferentes: Grundig/Blaupunkt (material eléctrico); Nova Penteação (têxtil); e Portugal Telecom (telecomunicações). Trata-se de estudos com uma grande riqueza empírica: ilustram os processos de industrialização do país em diversos sectores produtivos, as diferentes inserções da economia no mercado mundial, as estratégias empresariais de crescimento, fusão, reestruturação e falência. Ao mesmo tempo, abordam-se as transformações ocorridas na sociedade portuguesa: a entrada de trabalhadores ligados ao campo, nomeadamente mulheres, na esfera da produção industrial, a construção de solidariedades colectivas num novo contexto de socialização que permitiram a emergência da acção colectiva no local de trabalho.

9O autor admite, ao longo do livro, a existência de um défice na reflexão sindical em diversas áreas: no âmbito da flexibilização das relações laborais, mas também quanto à melhor forma de chegar a diversos sectores sociais, nomeadamente os jovens, mulheres e trabalhadores imigrantes, no sentido de renovar e rejuvenescer o conjunto dos sindicalizados e das direcções sindicais.

10Constata que a afirmação do papel e relevância dos sindicatos passa pela capacidade de influenciar o debate ideológico, ou seja, por poder pesar na batalha das ideias, afirmando uma agenda sindical “dinâmica, articulada e coordenada”, aliando a dimensão das reformas institucionais, mas também a acção colectiva e radical, que recuse a modernização neoliberal e seja portadora de um projecto emancipatório.

11A identificação dos principais pontos de bloqueio de que padece o sindicalismo actual, nomeadamente o português, é algo naturalmente importante. No entanto, o autor parece ter privilegiado demasiadamente o nível de análise socioestrutural em detrimento do político-organizacional e interactivo. Dito por outras palavras, MCS identificou claramente, por um lado, as condicionantes estruturais que delineiam o campo de actuação sindical actual, mas por outro, enunciou apenas a condição de necessidade e de possibilidade de os sindicatos se adaptarem face às novas circunstâncias.

12O desenvolvimento destes dois últimos níveis permitiria um maior enfoque no sindicalismo enquanto actor social, com capacidade de reflexão estratégica, identificando o novo contexto e actores em presença e, em função deste, apontando para uma estratégia activa com repercussões no plano das orientações políticas, mas também da mudança organizacional, funcionamento democrático, atribuição de meios humanos e recursos materiais, bem como da renovação das formas de acção colectiva.

13Assim, a estratégia sindical para fazer frente aos inúmeros desafios é ainda inconclusa. Ante o fim das “homogeneidades” e o individualismo institucionalizado, qual o papel dos sindicatos na reconfiguração de novos laços de solidariedade e de identidade, num contexto de fragmentação, heterogeneização e complexificação da classe trabalhadora?

14Qual poderia ser a estratégia sindical para reverter o declínio da sua representatividade? O inquérito realizado por Carvalho da Silva indica uma imagem algo ambivalente dos sindicatos. Existe uma “vontade de mobilização em torno dos sindicatos, mas com condições” (p. 120). Entre essas condições, encontra-se a vontade de maior acesso à informação, maior participação e democracia, mas também de maior independência relativamente aos partidos políticos.

15Assim, uma nova orientação sindical capaz de enfrentar os desafios colocados implica igualmente uma mudança de práticas actualmente existentes na acção sindical. Um exemplo é a necessidade de os sindicatos contribuírem para organização e representação dos trabalhadores mais fragilizados e precarizados, que são já 20% da população trabalhadora portuguesa. As declarações de um dirigente sindical da Portugal Telecom reproduzidas por MCS são neste caso elucidativas: “’os sindicatos no dia-a-dia da sua acção, de contacto e organização dos trabalhadores’ mantêm a sua intervenção muito centralizada na ‘disputa de representação daqueles trabalhadores que estão cobertos pelo acordo de empresa’, cujo global, que já foi de ‘mais de 22 000 trabalhadores, é hoje de cerca de 8800 e, provavelmente, será bastante menos daqui a poucos anos’” (p. 275).

16O livro de Manuel Carvalho da Silva é, portanto, um contributo importante para a continuação de uma reflexão que procura uma prática renovada da acção sindical. Esta será feita seguramente de novas experiências, erros, ajustes e mudanças, mas é tão urgente quanto necessária.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Hugo Dias, « Manuel Carvalho da Silva, Trabalho e sindicalismo em tempo de globalização: reflexões e propostas.  », Revista Crítica de Ciências Sociais, 81 | 2008, 214-217.

Referência eletrónica

Hugo Dias, « Manuel Carvalho da Silva, Trabalho e sindicalismo em tempo de globalização: reflexões e propostas.  », Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 81 | 2008, colocado online no dia 01 Outubro 2012, criado a 19 Setembro 2017. URL : http://rccs.revues.org/669

Topo da página

Autor/a

Hugo Dias

Estudante de doutoramento da FEUC/CES como bolseiro da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (tema de tese: Sindicalismo de movimento social? Experiências de renovação da prática sindical num contexto de transição de paradigma produtivo). Tem desenvolvido trabalhos nas áreas do sindicalismo e movimento operário e dos movimentos sociais e estudantis.
hugo@ces.uc.pt

Artigos do/da mesmo/a autor/a

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Revues.org