Navegação – Mapa do site
Recensões

André Freire, Crónicas políticas heterodoxas.

João Janeiro
p. 217-219
Referência(s):

André Freire, Crónicas políticas heterodoxas. Lisboa; Sextante Editora, 2007, 206 pp.

Texto integral

1Num tempo em que o discurso hegemónico parece querer instituir uma espécie de “pensamento único”, André Freire apresenta-nos neste livro uma compilação de artigos de opinião publicados na imprensa. A utilidade dos textos organizados nesta publicação é de grande pertinência ao reunir uma diversidade de temas abordados com um olhar crítico em relação aos mesmos.

2O interesse da obra é grande, nela transparecendo uma abordagem em geral relacionada com o percurso académico do autor. A forma como é estruturada a análise permite que a obra mantenha todo o rigor cientifico e fundamentação empírica que lhe conferem qualidade e credibilidade, mas, ao mesmo tempo, o discurso do autor é acessível e de fácil leitura para um público não académico, assumindo assim um papel de divulgação científica. Um dos aspectos mais relevantes desta conjugação entre uma obra de agregação de artigos de opinião e de divulgação cientifica é o facto de permitir ao leitor encontrar uma bibliografia que permite o acesso a textos complementares e mais elaborados sobre as diferentes temáticas.

3Um aspecto relevante e clarificador é o esclarecimento que o autor começa por fazer do seu posicionamento político (de esquerda) para situar o leitor na interpretação das respectivas crónicas.

4A obra encontra-se dividida em oito capítulos. Merecem realce o primeiro tema, sobre a divisão esquerda-direita, e também o último capítulo, em que o autor agregou os textos sobre a Europa, Médio Oriente e a Turquia. Estes dois capítulos são, por diferentes razões, de extrema relevância por colocarem em causa os discursos e políticas hoje dominantes na Europa e no mundo ocidental, quer em torno dos assuntos internos quer da política internacional no contexto da globalização.

5O primeiro tema abordado, a divisão esquerda-direita, é de todos o que mais interesse tem na actualidade. Criticando a tese do suposto “fim das ideologias” e a perda de relevância da dicotomia esquerda-direita na interpretação dos fenómenos políticos, consideramos que o autor tem razão quando afirma que esta divisão continua a ser pertinente. Não existe nenhuma outra forma que consiga classificar o enquadramento político dos indivíduos, e que permita a compreensão da complexidade dos acontecimentos políticos e problemas sociais quotidianos ou sobre as propostas dos partidos e agentes políticos (quer nos actos eleitorais, quer durante as respectivas legislaturas no decurso do debate público que é apanágio de qualquer democracia).

6A divisão esquerda-direita é discutida em diferentes momentos para demonstrar que a tese do “fim das ideologias” não passa afinal de uma nova ideologia e que a divisão esquerda-direita continua, hoje, a ser pertinente para explicar acontecimentos e enquadrar os indivíduos no campo político. Como o autor refere, esta divisão “[…] é, ao nível sistémico, um código político que tem servido como instrumento de comunicação entre políticos, mass media e eleitores” (p. 19). É através desta divisão que os indivíduos constroem o seu enquadramento político permitindo-lhes compreender a acção e o discurso político, condição decisiva para optarem por um determinado programa no contexto eleitoral. Uma referência relevante que André Freire apresenta, é o facto de a pertinência e saliência desta dicotomia ser mais visível e perceptível de acordo com o contexto político, social e económico de um dado país. No caso de uma crise económica, a divisão esquerda-direita vai acentuar-se nas propostas políticas e nos respectivos discursos dos actores e agentes políticos (p. 13).

7No capítulo 8, o autor apresenta um conjunto de artigos dedicados à “análise” de acontecimentos internacionais. Neste conjunto de artigos encontramos reflexões sobre a Europa, o Médio Oriente e a Turquia. André Freire apresenta-nos um leque variado de temas sobre os fenómenos políticos internacionais, merecendo destaque o texto Pluralismo étnico e tipo de democracia: o caso do Montenegro, no qual o autor reflecte sobre a democracia e as implicações que diferentes opções estratégicas podem adquirir no aprofundamento (ou esvaziamento) da mesma numa dada realidade nacional. A escolha do sistema político e do sistema eleitoral deve ser acautelada de acordo com a realidade em causa, pois a escolha de cada tipo de sistema influencia o funcionamento e expansão da democracia, como é exposto no artigo. Estas escolhas colocam em questão se o modelo democrático ocidental será a solução mais viável para uma sociedade multi-étnica, como é o caso do Montenegro.

8O segundo tema deste capítulo que merece realce é a reflexão sobre a adesão da Turquia à União Europeia (U.E.). Estes textos são o resultado da visibilidade mediática que o tema adquiriu com a retomada das negociações e que levou uma série de políticos, nacionais e dos estados membros da União Europeia, a tomarem posição em relação à possível integração daquele país na U.E. Neste conjunto de artigos dedicados à Turquia, o autor apresenta de forma clara e objectiva as razões pró e contra, defendendo uma parceria privilegiada de modo a não estrangular o funcionamento e o aprofundamento das instituições da U.E.

9O conjunto dos artigos sobre os fenómenos políticos internacionais evidencia bem a importância que estes podem ter no quotidiano do nosso país e no mundo globalizado de hoje. O desenlace destes fenómenos pode suscitar impactos indirectos na realidade nacional dos países nos planos político, económico e social.

10Antes de concluirmos, importa referir alguns capítulos de particular relevo, tais como sobre o sistema de governo (capítulo 2), o sistema eleitoral (capítulo 3) e o dedicado ao Partido Socialista, desde as primárias até ao governo Sócrates (capítulo 6), nos quais se agregam diferentes temas e a análise politológica é mobilizada com astúcia para interpretar e explicar os fenómenos políticos nacionais. Estas análises ajudam-nos a compreender as derivas ideológicas, no discurso e na acção, dos diferentes actores e agentes políticos do país. Um dos exemplos que André Freire utiliza para maximizar a análise politológica é interrogar‑se sobre quem tem recaído os maiores sacrifícios pedidos aos portugueses nos últimos anos (a classe trabalhadora), aliando-a com a ideologia e a divisão esquerda-direita (artigos 6.3 e 6.5).

11No que concerne ao sistema de governo (artigo 2.2), o autor reflecte sobre a importância e a utilidade do voto dos cidadãos, discutindo a opção de não dissolver o parlamento, por parte do então Presidente da República, quando Durão Barroso saiu para a Presidência da Comissão Europeia, questionando a utilidade das eleições presidenciais. Ao longo do artigo fica demonstrada a relevância que os actos políticos poderão ter na percepção da utilidade de votar pelo cidadão comum. Consideramos que a análise desenvolvida sobre este exemplo específico, é passível de ser generalizada a qualquer acto eleitoral, em que teremos de ter em conta as especificidades de cada eleição para analisarmos a utilidade do voto, ou a sua possível percepção pela generalidade dos cidadãos.

12Para finalizar, vale a pena referir o capítulo sobre o Sistema Eleitoral (capítulo 3) onde sublinhamos os textos referentes às reformas do sistema eleitoral. Através da sua experiência profissional e académica, o autor confronta-nos com as reformas do sistema eleitoral, que periodicamente estão em discussão no espaço público, como foi o caso da reforma eleitoral da Região Autónoma dos Açores. Da análise elaborada sobre as reformas eleitorais, surgem duas questões: serão as reformas apresentadas realmente necessárias, e permitirão a aproximação dos eleitos aos eleitores? Constituirão elas um efectivo melhoramento do sistema representativo que existe? Ou tendem a atribuir maiores ganhos eleitorais aos maiores partidos? De acordo com André Freire, é necessário reformar o sistema eleitoral de modo a melhorar a representação nos círculos de menores dimensões e com a finalidade de aproximar os eleitos dos respectivos eleitores.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

João Janeiro, « André Freire, Crónicas políticas heterodoxas.  », Revista Crítica de Ciências Sociais, 81 | 2008, 217-219.

Referência eletrónica

João Janeiro, « André Freire, Crónicas políticas heterodoxas.  », Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 81 | 2008, colocado online no dia 01 Outubro 2012, criado a 21 Setembro 2017. URL : http://rccs.revues.org/671

Topo da página

Autor/a

João Janeiro

Licenciado pelo ISCTE; estudante de mestrado do programa de Relações de Trabalho, Desigualdades Sociais e Sindicalismo.
joaopjaneiro@portugalmail.com

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Revues.org