Navegação – Mapa do site
Recensões

Géraldine Muhlmann; Edwy Plenel, Robert E. Park. Le journaliste et le sociologue.

Pedro Araújo
p. 219-221
Referência(s):

Géraldine Muhlmann; Edwy Plenel, Robert E. Park. Le journaliste et le sociologue. Paris: Seuil, 2008, 124 pp.

Texto integral

1Géraldine Muhlmann, professora de ciência política e de filosofia política na Universidade de Panthéon-Assas (Paris), e Edwy Plenel, jornalista e professor associado da Universidade de Montpellier, apresentam e comentam quatro ensaios de Robert Park (1864-1944) sobre a imprensa, revelando uma vertente menos conhecida de um dos fundadores da famosa Escola de Chicago.

2Na verdade, Robert Park enveredou tardiamente pela sociologia e, quando o fez, manteve sempre uma forte ligação às suas origens, o jornalismo, cultivando uma atitude metodológica que encontra aí as suas raízes e consagrando uma parte importante dos seus trabalhos ao jornalismo e à imprensa que, tal como a cidade, constituem verdadeiros laboratórios da modernidade. O livro que ora se apresenta inclui quatro dos nove ensaios escritos pelo sociólogo sobre esta temática, reunidos por E. C. Hughes no terceiro volume dos Collected Papers of R. E. Park, Society: Collective Behavior, News and Opinion, Sociology and Modern Society (1952).

3Duas discussões antecedem os ensaios de reunidos no volume. O texto de Edwy Plenel, sobre a Actualidade de Park, recupera e actualiza duas preocupações fulcrais em Park: a responsabilidade da imprensa na construção de um público democrático e a sua importância para a qualidade da própria democracia. Géraldine Muhlmann (Imprensa e democracia) realça, numa linha próxima da anterior, o contributo de Park para a afirmação de uma abordagem particular e audaz da imprensa cujas marcas se encontram em cada um dos ensaios incluídos no livro.

4No primeiro ensaio, The Natural History of the Newspaper, originalmente publicado no American Journal of Sociology (1923), Park analisa, através do desenvolvimento da cidade moderna e da sociedade industrial, o nascimento da imprensa de informação/uma imprensa politicamente independente que produz uma informação (news) acessível a um público doravante mais vasto/e a emergência da figura central do repórter. Pioneiro, destaca igualmente a relação entre esta nova imprensa, que se impõe a partir da década de 1880, e a emergência de um ideal jornalístico de objectividade. O público emerge como uma nova personagem, que se deve seduzir para alimentar uma discussão de larga escala (make people talk) o que implica, por sua vez, oferecer garantias de exactidão factual (accuracy). Mas até onde pode ir essa sedução? Que novas preocupações suscita? Park aparece aqui mais sereno do que em Multidão e público (Masse und Publikum. Eine methodologische und soziologische Untersuchung, 1904), a sua tese de doutoramento, realizada na Alemanha e orientada por Wilhelm Windelband, onde receava que os leitores modernos regredissem “perigosamente” em direcção à multidão de Gustave Le Bon (afectiva, intolerante e uniforme). Park anuncia, aqui, renunciar a uma consideração das coisas “exclusivamente de um ângulo moral” para apelar à construção de ferramentas analíticas adequadas à situação.

5Em News as a Form of Knowledge, publicado igualmente no American Journal of Sociology (1940), encontra-se uma sistematização dos principais temas de Park sobre a imprensa e a noção de público (public), ponto de encontro entre duas abordagens: a abordagem da comunicação como “transmissão”, de Walter Lippmann, e a abordagem cultural, de John Dewey. Por um lado, as notícias devem suscitar a curiosidade/interesse do público, serem apelativas de acordo com os valores culturais de um dado público, o que as inscreve num contínuo que vai do “folclore” à literatura. Por outro lado, a sua publicação e a validação dos factos que as sustentam confere--lhes algo de um saber, de um “conhecimento”, que as inscreve num contínuo que se dirige, desta feita, para formas mais elaboradas e mais abstractas de “conhecimento”: a história e as ciências sociais. Apesar de existirem notícias (news) que se inscrevem mais fortemente no primeiro contínuo (human interest stories), sendo (idealmente) sustentadas por factos “verdadeiros” continuam, todavia, a pertencer à categoria da “informação”; informam tanto quanto entretêm. A imprensa não é, deste modo, pensada unicamente como um lugar de participação num grande debate colectivo no seio do qual se cria e confirma uma cultura comum. Esta deve ser igualmente uma ferramenta que “objectiva os factos”, que fixa uma verdade prévia a qualquer debate, exigindo-se-lhe, por isso, método e rigor. Esta é a condição para que possa continuar a estimular, na entidade cultural que é o público, o confronto de pontos de vista necessário para que esse permaneça autenticamente um “público”. Sem ela, a imprensa fabrica um consenso cultural excessivo, uniforme, que converte o público em multidão.

6Em 1940, Helen McGill Hugues, discípula de Park, publicava News and the Human Interest Story, obra que estuda as características comuns às histórias (stories) da imprensa popular dos finais do século XIX. É a curiosidade popular que é objecto de investigação, o interesse/curiosidade que visam as redacções para seduzir os seus leitores. Quando este se perfila como objectivo único entra-se no registo das human interest stories. Que diferenças existem entre essas histórias e as histórias que constituem a informação comum? No prefácio à obra de Hugues, News and the Human Interest Story, Park sustenta que essas histórias procuram produzir nos leitores um efeito próximo das obras de ficção e que, todavia, tais como as restante notícias, mantendo-se fieis aos factos cumprem o seu duplo objectivo de entreter e informar. A fronteira só é ultrapassada se as histórias não respeitarem ou fabricarem os factos. A obra de Hughes oferece, deste modo, as ferramentas conceptuais para pensar uma tentação inerente ao jornalismo, muito em voga hoje, de reportagem.

7Finalmente, News and the Power of the Press (American Journal of Sociology, 1941) Park coloca a questão do poder da imprensa, distanciando-se dos jogos de poder dos editorialistas. Estes últimos, de resto, só poderão lograr exercer alguma influência no público se permanecerem firmemente ligados às notícias. Expondo detalhadamente as diferenças de natureza e origem entre notícias (news) e editoriais, Park afirma mesmo que são as notícias mais do que os editoriais que fazem a opinião (it is news rather than the editorial that makes opinion). O poder da imprensa está intimamente ligado à sua capacidade para alargar o seu público. Park, sempre pronto a alertar para os riscos de um decremento da curiosidade do público, num movimento de regresso à multidão, propõe aqui um diagnóstico inverso: o de uma opinião pública entorpecida pela variação infinita de temas e incapaz de deter a sua atenção para elaborar um julgamento esclarecido sobre as grandes questões da actualidade, porque privada de um “património comum de tradições e ideias” para interpretar os acontecimentos relatados pela imprensa. Park confirma a sua concepção de público que deve, idealmente, caracterizar-se por uma diversidade de pontos de vista e por uma unidade cultural (cultural unit) feita de valores comuns.

8Além da reunião de quatro ensaios basilares no pensamento de Robert Park sobre a imprensa moderna, a mais valia deste livro deriva ainda, por um lado, de uma Nota biográfica/publicada no primeiro volume dos Collected Papers of R. E. Park/e, por outro, da possibilidade de descobrir uma faceta de Robert Park, a de jornalista, de algum modo eclipsada pela de expoente da Escola de Chicago. Faceta que neste “vagabundo intelectual”, como ele próprio se denomina, não representa uma simples curiosidade biográfica. Do jornalismo, com a sua cultura empírica, ferramentas práticas e curiosidades concretas guardou uma herança metodológica que não mais o abandonou. “Um sociólogo, dizia, não é mais do que um repórter mais científico, mais preciso e mais responsável”. Uma espécie de super-repórter que é o que foi Robert Park, jornalista que se tornou sociólogo e sociólogo que permaneceu profundamente jornalista.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Pedro Araújo, « Géraldine Muhlmann; Edwy Plenel, Robert E. Park. Le journaliste et le sociologue.  », Revista Crítica de Ciências Sociais, 81 | 2008, 219-221.

Referência eletrónica

Pedro Araújo, « Géraldine Muhlmann; Edwy Plenel, Robert E. Park. Le journaliste et le sociologue.  », Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 81 | 2008, colocado online no dia 01 Outubro 2012, criado a 19 Setembro 2017. URL : http://rccs.revues.org/674

Topo da página

Autor/a

Pedro Araújo

Mestre em Sociologia pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra com a dissertação E agora? Experiências do desemprego, factores de vulnerabilidade e mediadores de compensação (2006). Investigador do Centro de Estudos Sociais. Integra actualmente o projecto de investigação intitulado “Risco, cidadania e o papel do Estado num mundo globalizado”. Publicações recentes: A tirania do presente. Do trabalho para a vida às incertezas do desemprego (Coimbra: Quarteto, 2008).
paraujo@ces.uc.pt

Artigos do/da mesmo/a autor/a

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Revues.org