Navegação – Mapa do site
Introdução

Modernismo(s)

António Sousa Ribeiro e Maria Irene Ramalho
p. 05-07

Texto integral

1Há exactamente um ano, realizou-se na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra um colóquio internacional, organizado pelo Núcleo de Estudos Culturais Comparados do Centro de Estudos Sociais, subordinado ao tema “Modernismos/Modernisms”. O seu objectivo imediato era assinalar a conclusão de um projecto colectivo financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia e intitulado “Memória, Violência e Identidade: Novas Perspectivas Comparadas sobre o Modernismo” (projecto POCTI/ELT/36434/2000). A preocupação primeira não era, no entanto, dar conta dos resultados concretos do projecto – algo que teria o seu lugar no relatório a apresentar oportunamente à FCT e nas publicações em tempo programadas. O objectivo imediato era, antes, suscitar uma discussão actualizada desse conceito complexo e controverso que é o conceito de modernismo, a partir de perspectivas diferentes e dando relevo a diferentes tipos de temas e problemas. Com a participação de vários especialistas nacionais e internacionais, incluindo cinco jovens investigadoras ligadas ao projecto original, esse objectivo foi plenamente conseguido nos dois dias que ocuparam o colóquio.

2Com a internacionalização da investigação nacional em mente, os trabalhos do colóquio realizaram-se em língua inglesa. Foi um prazer observar na altura o diálogo vivo que se estabeleceu entre os três reputados especialistas internacionais que nos honraram com a sua colaboração (Susan Friedman, da Universidade de Wisconsin-Madison, Vivian Liska, da Universidade de Antuérpia, e Houston Baker Jr, da Universidade de Duke) e as jovens investigadoras do projecto: Ana Luísa Saraiva, Catarina Martins, Inês Pinto Basto, Maria José Canelo e Paula Elyseu Mesquita. O artigo de Houston Baker Jr, que aqui publicamos em tradução portuguesa, inclui um eloquente testemunho disso mesmo. Entretanto, está neste momento em preparação o manuscrito completo das treze intervenções do colóquio para a publicação em forma de livro por uma editora internacional.

3Este número temático da Revista Crítica de Ciências Sociais, que documenta parcialmente as intervenções no colóquio Modernismos/Modernisms e em que se apresentam os primeiros resultados do projecto que lhe esteve na origem, pretende contribuir para uma discussão sobre o modernismo, na plena consciência de que essa discussão não parece destinada a ter um desfecho nos tempos mais próximos. Na verdade, o conceito de modernismo continua em constante mutação, seja no que respeita às suas balizas temporais ou espaciais, seja no que respeita a questões de tema ou de estilo. Há hoje tantas definições de modernismo, quer explícitas, quer implícitas, quantas as áreas do saber ou quantos os especialistas que escrevem sobre o que pensam que o modernismo é. As respostas que melhor satisfazem são as que estão conscientes das suas próprias limitações e deficiências, as que se apresentam como meras descrições provisórias, à espera de serem alargadas, desenvolvidas e apuradas. O discurso sobre o modernismo, ou sobre os modernismos, muda de cada vez que é posto em acção, e será necessariamente diferente daqui por vinte, trinta ou cinquenta anos. Ultimamente, tem-se imiscuído na discussão uma preocupação ética e política, típica de uma era global de consciência multicultural. Esse modernismo, que inicialmente pareceu ter surgido na primeira metade do século XX como sendo um fenómeno artístico-literário ocidental (se não marcadamente anglo-americano), razoavelmente delimitado e razoavelmente definível, tem sido, nos últimos tempos, objecto de ponderação rigorosa e reconceptualização ampla e variada e tem sido, consequentemente, sujeito a diferentes tipos de revisão. O plural a que recorremos – “modernismos” – é testemunho desta perspectiva.

4O índice deste número aponta com clareza para esta variada complexidade. O número abre com um ensaio problematizador de Vivian Liska, significativamente intitulado “Para que tenha significado e para que tenha importância: Um modernismo para o século XXI”. Servindo-se de uma personagem enigmática de um modernista tão canónico como Franz Kafka, Liska projecta para o século XXI a dificuldade da definição inequívoca do modernismo. Propor a identificação do modernismo com o kafkiano Odradek é projectar para o século XXI a inquietação sobre as definições, certezas e incertezas da modernidade, que afinal o modernismo sempre albergou. Quer isto dizer que o “presente” nunca verdadeiramente poderá saber de si próprio? Quer-nos parecer que este é, de facto, um dos problemas mais interessantes do “modernismo”.

5As propostas teóricas de Liska abrem para uma pequena secção de dois ensaios, onde o problema do “eu” modernista (e, porventura, não só “modernista”) é teorizado em autores e textos marcantes do modernismo ocidental. Catarina Martins analisa a racionalidade estética que na literatura austríaca do princípio do século XX encena, na forma especular do ensaio, a reflexividade possível do ser-eu; Inês Lage Pinto Basto, por sua vez, serve-se da metáfora do espelho para concluir que a escrita modernista pode bem remeter para a saudade de um inexistente real anterior.

6O ensaio de Houston Baker Jr, “A modernidade e a ruptura transatlântica”, introduz a dimensão racial e multicultural, que durante tanto tempo andou afastada dos discursos sobre o modernismo. A “passagem atlântica” que Ana Luísa Saraiva re-evoca e o “sexo das guerras”, o tema de Paula Mesquita, só ganham verdadeiramente sentido no contexto da interrogação do modernismo a partir das margens, com que o artigo de Baker nos desafia.

7O ensaio de Susan Friedman, ao pôr em causa a ideia de que modernização é sinónimo de ocidentalização, e ao sublinhar que a inovação poética e artística moderna não é mero apanágio do chamado Ocidente, abre claramente novas perspectivas de análise. Sem ter tido de esperar pelas propostas multiculturais de Friedman, mas coincidindo com elas, Maria José Canelo, na sua análise de um modernista americano atípico, como Carey McWilliams, revoluciona o velho conceito de modernismo anglo-americano, ao introduzir na sua análise a dimensão geopolítica, que a leva a reconhecer, nos Estados Unidos da América do Norte, “contraculturas da modernidade”, ou “modernidades alternativas”.

8No fecho desta série de reflexões sobre o modernismo à escala internacional, Rosa Martelo obriga-nos a olhar de novo a poesia portuguesa contemporânea, para firmemente a re-situar na continuidade de uma modernidade multifacetada e complexa, que Baudelaire identificou já nos meados do século XIX.

9De forma subtil, e em geral apenas implicitamente, este número temático da Revista Crítica de Ciências Sociais convida a problematizar as balizas temporais do chamado modernismo, ao ponderar as formas estéticas da modernidade, mas também as temáticas do sexo, da raça e da classe, no contexto mais amplo do império, da colonização e do capitalismo ocidentais. A relação entre modernismo, modernidade e modernização fica aqui esboçada, mas ainda e sempre à espera de novas reflexões, no contexto mais amplo de um mundo sempre em mutação.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

António Sousa Ribeiro e Maria Irene Ramalho, « Modernismo(s) », Revista Crítica de Ciências Sociais, 74 | 2006, 05-07.

Referência eletrónica

António Sousa Ribeiro e Maria Irene Ramalho, « Modernismo(s) », Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 74 | 2006, colocado online no dia 01 Outubro 2012, criado a 24 Julho 2017. URL : http://rccs.revues.org/918

Topo da página

Autores/as

António Sousa Ribeiro

Professor Associado da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra na área de estudos germanísticos, investigador do Centro de Estudos Sociais e diretor da Revista Crítica de Ciências Sociais desde 2005. Os seus interesses de investigação incluem: literaturas e culturas de expressão alemã, temas de literatura comparada, estudos pós-coloniais, estudos de tradução, estudos sobre o Modernismo e estudos sobre a violência.
asr@ces.uc.pt

Artigos do/da mesmo/a autor/a

Maria Irene Ramalho

Investigadora do Centro de Estudos Sociais, Professora Catedrática da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e International Affiliate do Departamento de Literatura Comparada da Universidade de Wisconsin-Madison. Os seus interesses de investigação incluem: estudos americanos, estudos feministas, literatura e cultura inglesa e americana, modernismo e ideologia, literatura comparada e poéticas comparadas.
irsantos@wisc.edu

Artigos do/da mesmo/a autor/a

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Revues.org