Navegação – Mapa do site
Artigos

Alguém mais belo do que eu: Alberto Caeiro, Leopold Bloom, o Portugal de Pessoa, a Irlanda de Joyce e outras Brancas de Neve

The Fairest Mirror of All: Alberto Caeiro, Leopold Bloom, Pessoa’s Portugal and Joyce’s Ireland
Quelqu’un de plus beau que moi : Alberto Caeiro et le Portugal de Pessoa, Leopold Bloom et l’Irlande de Joyce (et d’autres Blanche-Neige)
Inês Lage Pinto Basto
p. 41-48

Resumos

Ao definir-se como um quarto de espelhos fantásticos, Fernando Pessoa encontra no espelho a única certeza comum a todas as “reflexões falsas”, a materialização da “única anterior realidade” que os seus inúmeros espelhos “torcem”. Tomando a Branca de Neve como uma sublimação final da beleza usurpadora da Madrasta e a corporização de uma beleza inicial, considerarei os “inúmeros espelhos fantásticos” de Pessoa e o “cracked looking glass” de Joyce como distorcidas sequelas de uma qualquer pureza de origem ou de uma superfície reflectora una. Argumento que Caeiro, Bloom, o Império Espiritual de Pessoa e a “Irlanda Caricatura do Mundo Sério” de Joyce virão a ser a materialização dessa superfície reflectora de origem, Brancas de Neve posteriores às realidades que lhes são madrastas mas colocadas estrategicamente na sua origem e destinadas a suprir a ausência de uma “única anterior realidade” – pessoal, nacional e global.

Topo da página

Texto integral

Sou como um quarto com inúmeros espelhos fantásticos que torcem para reflexões falsas uma única anterior realidade que não está em nenhuma e está em todas.
Fernando Pessoa

1Por mais distante deste quarto que esteja o reino da Rainha Má – que há muito, muito tempo se olhava ao espelho até se ver destronada por uma espécie de versão desmalignizada de si mesma, por uma beleza usurpadora da sua realidade anterior – esta é ainda e de novo a história da Branca de Neve. Ou a história de uma Branca de Neve torcida para inúmeras reflexões falsas, o que é uma outra história.

2Nesta outra história, tudo gira em volta da inexistência de uma “única anterior realidade” e tudo se desenrola a partir das “inúmeras reflexões falsas” que paradoxalmente reproduzem essa mesma inexistência e a “torcem”. Aqui a única personagem é o espelho. E é o espelho que diz a nova verdade: a de que, por não haver verdade e tudo serem reflexões falsas, só o espelho é verdade; ou a de que, à falta de outra realidade anterior, é ele, o espelho, superfície que em dedicação exclusiva se cumpre na eterna actividade de só espelhar, a “única anterior realidade” possível e plausível.

3Em Pessoa e em Joyce a essência do sujeito, ou a da nação, ou a do mundo, funciona como uma inexistência que só através de uma pluralidade de reflexões torcidas e imperfeitas pode intuir-se. Assim, o espelho que em S. Paulo encobria o face a face (1Cor 13,12) descobre-se já fragmentado, e é a esse espelho uno, anterior à fracção, que Pessoa e Joyce querem dar irónica (e fecunda) existência. A remoção do espelho que, no fim dos tempos, revelaria o Criador e revelaria a Criação é descartada, e é a arte, o supremo espelho, que passa a funcionar como uma espécie de “única anterior realidade” de substituição – pessoal, nacional, global e metafísica.

4Nesta história só de espelhos, a Branca de Neve é este espelho uno – que tanto se estabelece como objecto primeiro, anterior a todas as “falsas reflexões”, como se descobre reconstituição última de uma unidade ausente – e a Madrasta surge desdobrada em inúmeros espelhos fantásticos, desordenada realidade plural que tanto precede o surgimento da nova beleza revelada como se descobre fragmentária desvirtuação, ou falsa mãe, dessa “única anterior realidade”.

5Quando, na história da Branca de Neve, o espelho mostra à beleza espelhada a existência, nas periferias do reino, de uma beleza pura, a Madrasta, que a precede no tempo, vê-se reduzida a uma distorcida reflexão da beleza benigna, legítima e infantil – ou benignizada, legitimada e infantilizada – que lhe é revelada.

6É com a Rainha Má que esta história começa, ou começa com o espelho adulterado e fragmentado em inúmeros espelhos fantásticos, madrasta estéril que incessantemente procura em todas e em cada uma das suas retorcidas reflexões a beleza que lhe fugiu e se perdeu na cerração, uma qualquer beleza “original”, anterior ou alheia à desvirtuante pluralidade da especulação.

7Assim, o espelho fragmentado ou o espelho-Madrasta, procura uma nova beleza que lhe seja “Branca de Neve” – simultaneamente, a causa da sua fragmentação e a corporização cabal, útil e libertadora da sua “única anterior realidade”.

8Ao partir em demanda desse princípio organizador insuportavelmente ausente, o espelho-Madrasta faz por encontrá-lo já cadáver – beleza anterior conservada em esfinge ou corpo que só em rigor mortis poderá autenticar a existência da sua inexistência. Mas o cadáver irá inesperadamente conhecer nova vida ao beijo alheio, anunciando-se imprevisivelmente fecundo.

O espelho português

9Sendo o “espelho” a única realidade concreta, material e visível capaz de presidir a todos os espelhos e de estar e não estar em todas e em cada uma das reflexões falsas que o quarto de espelhos fantásticos que Pessoa diz ser projecta, é no facto de espelhar e de ser espelho, de se descobrir ficção de si mesmo – e esvaziado criador de ficções – que Pessoa encontra a sua unidade, a sua identidade, o seu princípio organizador, aquilo que, por aproximação exterior, poderá funcionar como a sua “única anterior realidade”.

10O sonho de espelhar límpida e integralmente, de ser simultaneamente espelho de origem anterior à fracção e novo espelho que reúne os fragmentos, é assim corporizado neste encoberto espelho-Branca-de-Neve que Pessoa se descobre. É este espelho que reproduz em versão virtuosa, una e fecunda, a beleza desvirtuada e estéril do fragmentário espelho-Madrasta. Estabelecendo‑se a posteriori como corpo de origem, o espelho-Branca-de-Neve apresenta como consequência a pluralidade desvirtuada do Espelho-Madrasta, usurpando-lhe e sublimando-lhe a beleza originária.

11O facto de Pessoa se querer cumprir só como espelho, e de não poder (ou não querer) encontrar a sua “única anterior realidade” para além dele, coloca-o face a face com o espelho de S. Paulo, a que atrás me referi:

Agora vemos como num espelho e de maneira confusa; mas depois veremos face a face. Agora o meu conhecimento é limitado, mas depois conhecerei como sou conhecido. (1Cor 13, 12)

12Pessoa, que se não conhece a si mesmo senão por uma confusa pluralidade de reflexões falsas, estabelece o espelho como única existência visível e credível do “face a face” (a sua “única anterior realidade” como criador a tempo inteiro e a “única anterior realidade” do Criador). O espelho total que o separa de um Deus ignoto ou inexistente surge como a única verdade do transcendente ou do vazio, e o espelho que Pessoa se descobre aparece como a única unidade de fundo, a única porta fechada disponível para a “anterior realidade” de um desconhecido que se espelha – e que, de resto, tal como Deus ou como o carácter que Pessoa diz que talvez não tenha, pode bem não existir independentemente ou mesmo para além da realidade espelhada:

A minha perpétua atenção a mim perpetuamente me aponta traições de alma a um carácter que talvez eu não tenha. (Pessoa, s.d,a: 179)

13Quando Álvaro de Campos protesta que lhe “puseram uma tampa – / Todo o céu”, é deste espelho, que é também um espelho ou uma tampa interior, que fala (Pessoa, 2002: 490). O céu funciona, em Pessoa, como a superfície exterior de uma inexistência, lápide ou cadáver de um Deus uno e de um sujeito essencial, esfinge que, no entanto, se mostra inesperadamente capaz de dar vida.

14É esta ficção totalizante que encobre uma realidade primordial inexistente, esta tampa que tanto pode velar o “Nada” como o “Coisa Nenhuma”, que Pessoa quer afirmar como princípio organizador e unificador de si mesmo e do mundo: é ela que, ao instituir-se como tampa a encobrir a origem da ficção, se estabelece, ela própria, como ficção de origem – acabando por prenunciar a ficção como origem.

15Pessoa cria, com Caeiro, o seu incorrupto espelho-Branca-de-Neve, última tampa que separa um criador vazio da pluralidade que o reflecte ou que ele reflecte (a distinção permanece ironicamente indistinta). Assim, o pálido Caeiro é, simultaneamente, a brancura anterior às cores e a brancura que as contém a todas, o ser originário a quem Campos reconhece “uma argumentação cumulativamente feminina e infantil” e o inatingível culminar de tudo: espécie de alfa e de omega, suprema materialização em persona do carácter que Pessoa diz talvez não ter mas que os discípulos do espelho-Mestre – o próprio Pessoa e as suas outras falsas reflexões – sentem que traem e não atingem (Pessoa, s.d,b:174).

16À imagem e semelhança de Caeiro, também o Portugal que abre a Mensagem se constrói como tampa estrategicamente colocada entre o fim do mundo conhecido e o “mar sem fim”. O que era, em Caeiro, “natureza sem gente”, é aqui desertificado recorte de costa, e o “olhar nítido como um girassol” do Mestre torna-se esfíngico vazio que fita, máscara de uma cabeça ibérica, Branca de Neve morta e ungida para o beijo. Dito de outra maneira, do Portugal amortalhado ressuscita o Portugal do Império Espiritual, tal como de Viriato, o pastor real que resistiu à poderosa investida do Império Romano e que foi traído pelos seus, ressuscita o Guardador de Rebanhos etéreos que o vem vingar ou cumprir espiritual ou poeticamente. Como a poesia e os heterónimos originados por Caeiro glosam e revelam o Mestre, também o “mar sem fim” onde “Deus espelhou o céu”, o mar “do perigo e do abismo”, espelho terreno do espelho celeste, revela ao mundo a tampa da sua “única anterior realidade”: o Portugal fonte ou o Portugal-Branca-de-Neve perante o qual o mundo inteiro se descobre em toda a pluralidade dos seus “concretos absolutos”.

17É para o Portugal lápide exterior de um centro morto a partir do qual o mundo vário flui, para o Portugal que se oferece em esfinge para que o Mundo-Madrasta nele encontre a sua origem cristalizada ou o seu princípio organizador, que Pessoa tem reservado um futuro principesco.

18O imperialismo espiritual português é esse futuro principesco: a vida após a morte de um Portugal esfinge que repete e amplifica a fecundidade e a continuidade que Caeiro conhece – e Pessoa atrás dele – ao ver-se espelhado em “toda uma literatura”. E este imperialismo espiritual vai, de novo, prefigurar-se como a “Branca de Neve” de todos os “falsos” imperialismos – que o imperialismo britânico, o imperialismo-Madrasta por excelência, supremamente representa, herdando do Império Romano todo o poder material. É face a face, ou espelho a espelho, com este “imperialismo-Madrasta” que Pessoa coloca o imperialismo espiritual português – que, uma vez mais, indistintamente se constrói a partir do britânico e o espelha em versão originária, “espiritual” e desmalignizada, embora distintamente se estabeleça como sua raiz ou como supremo detentor da “única anterior realidade” que o Império Britânico imperfeita e fragmentariamente reflecte.

19Quando o espelho uno revela à Madrasta cruel a pura e sublimada verdade de si mesma, alguém mais belo, mais novo, alguém nascido de um sonho antigo que se move numa natureza sem gente, cantando ao desafio com os passarinhos e arrumando a casa aos anõezinhos numa eterna Primavera que a própria morte só vem contribuir para eternizar mais ainda, alguém que de alguma forma a antecede, a destrona e lhe irá sobreviver, a Rainha Má, que se julgava a mais bela, descobre-se realidade fragmentária e desvirtuada, vê-se amálgama de falsas reflexões dessa “única anterior realidade” que o espelho lhe mostra e que ela insanamente persegue sem nunca a conseguir plenamente atingir, acabando por precipitar-se no abismo. Ou assim o teria desejado Pessoa para o espelho total que ele mesmo se descobria, assim o desejara para Caeiro, e assim o desejaria para o império espiritual português, querendo-o princípio organizador da pluralidade, “única anterior realidade”, intangível e inatingível mas actuante, em torno da qual esplenderia a secundarizada realidade de todos os falsos impérios – e de toda a realidade. O mesmo desejo que de outro modo expressaria num poema ortónimo, o reiterado desejo de ser a última tampa, a primeira e a derradeira ficção, o espelho colado à suprema ausência capaz de figurar o centro mudo e negro do girassol e de se descobrir estranhamente capaz de congregar e de irradiar vida:

Girassol do falso agrado
Em torno do centro mudo
Fala amarelo, pasmado,
Do centro negro, que é tudo. (Pessoa, s.d.,c: 56)

20O centro negro e mudo do girassol a que Pessoa cola a pupila do Mestre, o centro que é tudo e em volta do qual se agitam, como heterónimos, as pétalas da uma realidade irremediavelmente plural, é o buraco negro em torno do qual gira toda a poesia pessoana, o vazio em torno do qual gira o mundo: a “única anterior realidade” que todas as pétalas torcem para reflexões falsas, aquilo que não existe mas que, no entanto, move a poesia que move o mundo.

O espelho irlandês

21Stephen Dedalus define desde logo a Irlanda como “the cracked looking-glass of a servant” e prefigura-se ele mesmo como esse espelho fragmentado e contraditório, palco de inúmeras falsas reflexões, sem realidade anterior e interior unívoca e sem futuro vislumbrável (Joyce, 1986: 6). Leopold Bloom, que marca um retrocesso na cronologia anteriormente assente em Ulysses ao “nascer” às 8 da manhã numa cozinha de Dublin, é o espelho Branca-de-Neve que se vem antepor ou sobrepor a este espelho-Madrasta, é ele o espelho que se revela e que revela a Irlanda em nova versão simplificada, condensada e pacificada, estabelecendo-se simultaneamente como sua origem e como seu cumprimento último, simultaneamente como espelho anterior à fragmentação e como espelho aglutinador de todos os fragmentos.

22Quando, em Ulysses, “A Irlanda Inteira” joga contra “O Resto da Irlanda” no Phoenix Park, é contraposta à totalidade oficial – “All Ireland” – toda uma outra equipa que se julgava inexistente – “The Rest of Ireland” –, equipa esta que vem pôr em causa a integridade da antiga totalidade. Bloom é depois identificado com esta equipa-Branca-de-Neve que destrona o monopólio da equipa-Madrasta quando, no mesmo capítulo de Ulysses, protesta: “All Ireland versus one!” (Joyce, 1986: 381 e 443).

23É através deste elemento disruptivo, do inesperado surgimento, nas franjas do reino e do poder, desta “Branca de Neve”, que em Ulysses se dá corpo à “única anterior realidade” que Bloom personifica e que, congregando o Resto da Irlanda, congrega o mundo inteiro: um mundo que a Irlanda Inteira ignorara e varrera de si mas que, depois de Joyce lhe o ter mostrado no espelho, descobria ancestral no seu próprio âmago. E uma Irlanda que o mundo ignorara e varrera de si mas que, depois de Joyce lhe a ter mostrado no espelho, descobria ancestral no seu âmago.

24Bloom, o Ulisses duplamente baptizado segundo os ritos católico e protestante, o “anythingarian”, o judeu não circuncidado que comia carne de porco, aquele que, para os dublinenses, não era “carne nem peixe”, o que se deixava mansamente trair, a estranha novidade que se vinha antepor a Stephen, estabelecendo-se como seu pai simbólico e revelando-se a sua “única anterior realidade”, o infinitamente tolerante e compreensivo Leopold Bloom, era a caricatura de uma Irlanda a cantar benignamente aos passarinhos – uma Irlanda pacificada (the rest of Ireland), espécie de inofensivo contra-poder que paciente, astuta e engenhosamente se sabia capaz de destronar e de sobreviver à Irlanda Inteira (que ele espelhava, mas que o passaria a espelhar).

25Como acontece com o Caeiro de Pessoa, Bloom é um espelho que se mostra indissociável de uma identidade nacional totalizante e originante que Joyce também quer consagrar ao domínio exclusivo da arte – ou àquilo a que Pessoa escolheu chamar “o Império Espiritual” e a que agora se chama soft power.

26Ao definir a Irlanda como “o país destinado por Deus para ser a eterna caricatura do mundo sério” – “a country destined by God to be the everlasting caricature of the serious world” (Joyce, 1996:168) – Joyce repete, à escala global, o processo de subdivisão que tinha já aplicado ao sujeito poético (com Stephen e Bloom) e à própria Irlanda (com “All Ireland” e “The Rest of Ireland”), dividindo o mundo em Mundo Sério e Mundo Fictício ou Paródico, e reivindicando para a Irlanda ou para a sua arte o monopólio da ficção ou a prerrogativa de se cumprir única e exclu sivamente como o caricatural espelho do mundo inteiro – ou como a “única anterior realidade” que o mundo inteiro caricaturalmente espelharia.

27Pessoa e Joyce radicam-se e radicam as suas ficções totalizantes na certeza de que não há “única anterior realidade” independente da especulação, e de que todos os princípios organizadores da pluralidade são manifestamente “falsos”, limitados, datados, localizados e estratégicos. Mas também se radicam na certeza da verdade destas mentiras, na convicção da misteriosa existência das inexistências a que escolhemos dar corpo e que assim se tornam capazes de libertar ou de oprimir, de regular ou de determinar, de inspirar ou de submeter, de criar ou de secar.

28O miraculoso surgimento de Caeiro na vida de Pessoa, no dia 8 de Março de 1914, e o inesperado nascimento de Leopold Bloom aquando de um súbito retrocedimento na cronologia anteriormente assente no dia de Ulysses são indissociáveis do Portugal que tardiamente se revela como origem do mundo e da Irlanda que antecipadamente se oferece como sua caricatura. Ou da ficção que tardiamente se revela como origem do mundo, da nação e do sujeito, e da ficção que antecipadamente se oferece como caricatura do mundo, da nação e do sujeito. Ou ainda da ficção como origem e caricatura de si mesma.

29Com Caeiro, Bloom, o Portugal de Pessoa e a Irlanda de Joyce é-nos dado um berço-jazigo estrategicamente humilde, infantil e benigno, caixão onde jaz, velada por anõezinhos e passarinhos, uma Branca de Neve à espera do beijo da ressurreição ou de um final feliz que vingue a humilhação, a infantilização e a benignização a que a realidade madrasta a votara.

30Acrescentando um último par de torcidas Madrastas e de retorcidas Brancas de Neve a estas reflexões, termino com uma breve especulação:

31Também “o modernismo”, e mesmo “os modernismos” – como entidades inexistentes, unas, aglutinadoras e originantes a que inúmeras reflexões vão dando existência – se podem estabelecer como cruéis Brancas de Neve que a seu bel-prazer vão entronando, destronando e condenando os modernismos mais incautos e inocentes à categoria madrasta de “reflexões falsas” (até que algum outro “modernismo” ou “modernismos” lhes venha apanhar os restos e queira branqueá-los).

32Na arte – e na crítica – onde predomina o soft power, também há inevitáveis interferências e reflexos confusos do hard power: é que, tal como Pessoa e Joyce bem o souberam, os impérios espirituais são espelho dos impérios materiais que os espelham. E não há Branca de Neve sem Madrasta nem Madrasta sem Branca de Neve – muito embora as haja boas e más, fecundas e infecundas, menos belas e mais belas (dependendo do que está, e do que não está, de quem está, e de quem não está, por trás delas).

Topo da página

Bibliografia

Joyce, James (1986), Ulysses. Org.. Hans Walter Gabler. London: Bodley Head.

Joyce, James (1996), “Ireland: Island of Saints and Sages”, in Ellsworth Mason; Richard Ellmann (orgs.), The Critical Writings of James Joyce. Ithaca: Cornell UP.

Pessoa, Fernando (2002), Poesia de Álvaro de Campos. Org. Teresa Rita Lopes. Lisboa: Assírio & Alvim.

Pessoa, Fernando (s.d.,a), Textos de intervenção social e cultural: A ficção dos heterónimos. Ed. António Quadros. Mem Martins: Europa-América.

Pessoa, Fernando (s.d.,b), “Evocação memorialista” por Álvaro de Campos. Poemas de Alberto Caeiro. Org. António Quadros. Mem Martins: Europa América.

Pessoa, Fernando (s.d.,c), “Guardo ainda, como um pasmo”. Poesia II 1930-1933. Org. António Quadros. Mem Martins: Europa-América.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Inês Lage Pinto Basto, « Alguém mais belo do que eu: Alberto Caeiro, Leopold Bloom, o Portugal de Pessoa, a Irlanda de Joyce e outras Brancas de Neve », Revista Crítica de Ciências Sociais, 74 | 2006, 41-48.

Referência eletrónica

Inês Lage Pinto Basto, « Alguém mais belo do que eu: Alberto Caeiro, Leopold Bloom, o Portugal de Pessoa, a Irlanda de Joyce e outras Brancas de Neve », Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 74 | 2006, colocado online no dia 01 Outubro 2012, criado a 19 Setembro 2017. URL : http://rccs.revues.org/925 ; DOI : 10.4000/rccs.925

Topo da página

Autor/a

Inês Lage Pinto Basto

Tradutora free lancer. Mestre em Estudos Anglo-Americanos pela Universidade de Coimbra, com uma tese intitulada A pátria dos poetas: a redescoberta da América no mundo todo a sós de Crane, Joyce e Pessoa. Bolseira da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, tendo em vias de conclusão uma tese de doutoramento sobre a ideia de primitivismo em Pessoa, Joyce e Scott Fitzgerald.
pintobasto@netcabo.pt

Artigos do/da mesmo/a autor/a

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Revues.org